conecte-se conosco

Editorial

Violência contra a mulher: é permitido “colocar a colher” e o bom-senso em pauta

Há argumentos mais do que prováveis para que a sociedade coloque a “colher”, e sobretudo, o bom senso nos casos de violência doméstica.

Publicado

em

Contrariando a máxima popular tão discutida no cotidiano, contra fatos há sim muitos e diversos argumentos. A frase, aqui, faz menção à cultura intelecto-social brasileira relacionada ao pensamento de que “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”. Ou seja, há argumentos mais do que prováveis para que a sociedade coloque a “colher”, e sobretudo, o bom senso nos casos de violência doméstica. Na pesquisa Tolerância social à violência contra as mulheres (Ipea), é possível perceber esse comportamento social. Na entrevista, 63% das pessoas concordam, total ou parcialmente, de que “casos de violência dentro de casa devem ser discutidos somente entre os membros da família”. E 89% concordam que “a roupa suja deve ser lavada em casa”, enquanto que 82% consideram que “em briga de marido e mulher não se mete a colher”. Ou seja, é preciso mudar.

E aqui entram ações como denúncias, orientações e todo um conjunto de políticas públicas que podem refletir nas mudanças comportamentais e culturais e minimizar os casos. Isso porque a violência doméstica não está ligada apenas àqueles que estão na situação, mas a toda uma sociedade que a passos largos e insistentes cultiva a desigualdade entre homens e mulheres.

Falar da violência contra a mulher, do machismo, de casos de feminicídio e de questões sociais e humanas não é bater na mesma tecla sem fundamento, como muitas pessoas insistem em falar. Os números de agressões e feminicídios aumentam a cada dia e são assustadores.

No Brasil, estima-se que cinco mulheres são espancadas a cada 2 minutos. O parceiro (marido, namorado ou ex-namorado) é o responsável por mais de 80% dos casos reportados, segundo a pesquisa Mulheres Brasileiras nos Espaços Público e Privado.

Em Paranaguá, a realidade não é diferente. A Justiça recebe um caso por dia de violência doméstica. O avanço no número de denúncias refletiu na prisão de seis homens em Paranaguá no período de 21 a 28 de janeiro. As mulheres em questão fizeram a denúncia logo após o ocorrido à Polícia Militar e os acusados foram presos em flagrante.

Portanto, é preciso “meter a colher”, denunciar, orientar as mulheres que elas podem e devem ser respeitadas independente de sua situação. É preciso haver respeito e a falta dele pode acarretar em consequências irreparáveis.

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.