Connect with us

Editorial

Sem silenciar: o “machismo nosso de cada dia” mata

Nesta semana, o Poder Judiciário de Paranaguá realizou o primeiro júri popular de caso de feminicídio no ano

Publicado

em

Nesta semana, o Poder Judiciário de Paranaguá realizou o primeiro júri popular de caso de feminicídio no ano. O réu foi condenado a 25 anos de prisão por ter assassinado a companheira com golpes de chave de fenda em 2017, na Ilha dos Valadares, e após decisão dos jurados responderá por homicídio duplamente qualificado.

Sem dúvidas, esse é um momento histórico não apenas para a área jurídica, mas, sobretudo, para a realidade social e cultural do município e do País. Isso porque na “nova era” a que muitos creditam a evolução de tempos melhores, clamando pela justiça e ética nos discursos, o que mais falta é a revolução cultural humana em ações reais ao levantar a bandeira branca de que a igualdade transforma uma sociedade e pode se não evitar, ao menos reduzir casos de violência contra a mulher, as quais culminam nestas situações da morte de uma mulher simplesmente pela condição de ela ser uma mulher.

Foi a Lei do Feminicídio, implantada no ano de 2015, que passou a qualificar o assassinato quando a mulher é morta por questões de gênero. Mas os números desse crime mostram que não basta punir. É preciso também aumentar a rede de proteção à mulher e mudar a cultura não apenas do agressor, mas de uma sociedade em geral. Isso porque quando se chega no agressor é porque houve uma sequência de histórico contra a mulher, que inicia nada mais nada menos que no “machismo nosso de cada dia”.

Em 2017, por exemplo, os tribunais estaduais de Justiça fecharam o ano com mais de 10 mil processos de feminicídio à espera de julgamento. Em agosto de 2018, a Justiça alcançou a marca de mil julgamentos de feminicídio ou tentativa de homicídio contra mulher. Ou seja, o machismo, este vilão social tão comum no dia-a-dia, é responsável por milhares de processos na Justiça brasileira. E por isso, ele não é balela nem brincadeira. Ele precisa ser combatido e repudiado.

A importância desta condenação em Paranaguá é justamente para a prevenção geral de crimes de feminicídio, que apresentam números bastante expressivos no litoral. Espera-se, de fato, que na contramão do País, esses casos diminuam e que não precisem ser comemorados pelos julgamentos no Tribunal do Júri, mas por uma mudança comportamental humana. Cabe a cada um fazer acontecer através de um princípio básico: o respeito.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.