Connect with us

Editorial

Brumadinho e o exemplo que “mais do que máquinas, é preciso humanidade”

Fica claro que a negligência maior dos responsáveis pela tragédia foi sem dúvidas, com o ser humano.

Publicado

em

A tragédia em Brumadinho, em Minas Gerais, a qual interrompeu a vida de 157 pessoas, e que chocou a população brasileira, prova que o Brasil é um dos países que mais falha na garantia dos direitos de cidadania. E sabe por quê?

Se a Constituição Federal de 1988 garante os direitos humanos no Brasil e consagra o princípio da cidadania, dignidade da pessoa humana e valores sociais do trabalho, tudo o que se viu em Brumadinho atesta a falência da seguridade desses direitos.

Entre os direitos e deveres de cidadania, alguns deles nem sequer foram prezados em Brumadinho, como, por exemplo, proteger a natureza; garantir a saúde, proteção à infância, à família, assistência aos desamparados, segurança, entre outros.

Fica claro, aqui, que a negligência maior dos responsáveis pela tragédia foi sem dúvidas, com o ser humano, mesmo antes de tudo acontecer.

As evidências foram claras. Três anos depois da tragédia de Mariana, a empresa Vale (responsável pelas represas em Brumadinho) ainda não havia desativado as barragens menos seguras; e a Agência Nacional de Águas (ANA) afirmava em relatório do ano passado que 56 das 175 barragens operadas pela empresa poderiam causar altos danos ambientais.

Infelizmente, a negligência foi paga com vidas e na contramão deste caos, voluntários surgem como uma luz em meio à escuridão.

Um dos exemplos é o do socorrista Aurélio Coutinho, que já atuou no litoral paranaense e foi voluntário em Brumadinho. Em matéria publicada na edição de hoje, ele relata uma das experiências mais marcantes em sua vida ao ver um cenário de destruição, como se fosse de guerra.

Aurélio sentiu no coração a necessidade de ajudar e partiu por iniciativa própria para Minas Gerais, na esperança de encontrar pessoas ainda com vida. O que ele viu lá, a olhos nus, jamais o cidadão brasileiro verá ou dimensionará pela televisão.

Se no lado de quem está no Poder aflorasse menos ganância, menos omissão, e menos descaso, certamente não se enfrentariam tantas tragédias anunciadas.

É preciso, sobretudo, nos tempos atuais, antes de mais nada, ser mais humano.

Com isso, vale refletir sobre o sábio pensamento de Charles Chaplin: “Mais do que máquinas precisamos de humanidade. Mais do que inteligência precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes a vida será de violência e tudo estará perdido”.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.