Connect with us

Editorial

A “síndrome da manada” e a violência contra a mulher

A “síndrome da manada” ocorre quando um grupo de pessoas segue um determinado comportamento em massa.

Publicado

em

Predomina-se no Brasil, atualmente, e cada vez com mais força, a chamada “síndrome da manada”. Tal situação ocorre quando um grupo de pessoas segue um determinado comportamento em massa.

Afinal, pode-se questionar em que o efeito manada tem ligação com ações de cunho social, ou seja, com o comportamento da sociedade? Mais do que se imagina, seu reflexo está em uma lógica de que a “manada” faz a população apenas seguir um impulso ou um incentivo ou um comportamento e ir atrás. Tem sido assim, há anos, quando a cultura intelectual brasileira ainda emite os efeitos de um pensamento arcaico histórico.

Exemplo forte e remanescente de séculos passados é o comportamento popular de dominação da mulher pelo homem. Ainda é comum ouvir em ocorrências em que a mulher é violentada verbal ou sexualmente, agredida ou menosprezada, frases como: “a culpa é dela”, “o que ela estava fazendo lá”, “ninguém mandou estar com aquela roupa”, ou “ela se permitiu passar por isso”.

E aí é que entra o reflexo da síndrome da manada, ou da “cegueira generalizada”, em que a sociedade luta para progredir, mas regride a passos largos pelo simples fato de só enxergar o que se quer, sem questionar, sem pesquisar, sem aprender.

Isso porque a cultura brasileira e machista faz com que a culpa seja sempre da vítima e coloca sempre a mulher em uma situação vulnerável à violência, e a dependência física e psicológica do homem. Se todos dizem que é assim, que funciona assim e que a mulher deve ser dominada pelo homem, certamente fica mais fácil e acessível à mulher, independente de sua faixa etária ou condição financeira pensar assim, como os outros. O que não é correto.

E é nesta linha, que entram os casos de feminicídio, cada vez mais comuns no Brasil. Vale lembrar que o feminicídio nada mais é que um crime de ódio, um crime moral, com traços de misoginia, de poder, da divisão entre homens e mulheres, da superioridade do homem sobre a mulher.

Por isso é importante pensar que a violência e crimes domésticos, por exemplo, não acabarão quando se tornarem ferramentas politiqueiras, mas quando cada cidadão brasileiro começar a pensar por si e não aceitar pequenas ações machistas corriqueiras no dia a dia, as quais têm como consequência fatal a violência e até a morte.

Ao saber, por exemplo, que seis mulheres morrem vítimas de feminicídio a cada hora no País, é inaceitável aceitar percepções políticas de que homem veste azul, mulher veste rosa e a mesma deve ser inferior por ter que depender única e exclusivamente de seu príncipe para ser alguém na vida.

Enquanto não houver um filtro pessoal e intelectual de cada cidadão, a sociedade estará fadada a regredir, a morrer aos poucos pela ignorância e falta de conhecimento. Fica a reflexão.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.