Connect with us

Direito & Justiça

Mulheres têm direito a dois intervalos de 30 minutos no trabalho para amamentação

Garantia de poder fornecer o leite materno aos bebês está regulamentada pela CLT

Publicado

em

O mês de agosto é conhecido como Agosto Dourado e simboliza a luta pelo incentivo à amamentação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem destacado a importância do aleitamento materno para que as mães forneçam às crianças nutrientes para um desenvolvimento sadio. Um dos desafios que as mulheres encontram após terem filhos é o retorno ao trabalho.

A presença no mercado de trabalho não deve ser impedimento para que as mulheres continuem com a amamentação. Pelo lado da criança, o Estatuto da Criança e do Adolescente garante que todas têm direito ao aleitamento materno.

No Brasil, as leis propiciam à mulher trabalhadora quatro meses de licença-maternidade, sendo que o leite materno é indicado como alimento exclusivo até os seis meses de vida. A partir desse tempo, é possível introduzir outros alimentos, sem deixar de lado a amamentação.

INTERVALO

A advogada Aline Vasconcelos, especialista em direito de família e previdenciário, explicou que o artigo 396 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) traz os direitos que as mulheres têm no trabalho. “O artigo regulamenta que a trabalhadora tem direito a dois intervalos de 30 minutos cada, destinados para amamentar o seu filho até que complete seis meses de idade. Esse intervalo de 30 minutos pode ser acordado entre a empregada e a empresa, respeitando o melhor interesse das partes. Cabendo apontar que é ilícito que esses intervalos ocorram no período de repouso ou alimentação”, esclareceu a advogada.

Segundo ela, o direito se estende também a mães adotivas. “As mamães adotivas, famílias homoafetivas, pai solo e mães que não possuem leite materno também detêm dos mesmos direitos de amamentarem seus filhos, seja por mamadeiras ou qualquer outro método”, acrescentou Aline.

A mãe trabalhadora que não possui leite próprio e amamenta seu filho por meio de mamadeira também tem direito ao intervalo, já que o sentido da palavra "amamentar", contida na regulamentação, seria o de "alimentar".

O período máximo de seis meses, também poderá ser prorrogado de acordo com a legislação vigente. “Mas para isso é necessária uma prescrição médica que justifique o motivo da dilação de prazo. O direito à amamentação deve contar com a apoio da sociedade, do Poder Público, e de todos que se preocupam com o melhor desenvolvimento das famílias e crianças do País”, concluiu Aline.

BENEFÍCIOS DA AMAMENTAÇÃO

Um estudo com mulheres de 30 diferentes nacionalidades, publicado pela Revista científica The Lancet, em 2002, mostrou que o risco de contrair câncer de mama diminui 4,3% a cada 12 meses de duração de amamentação. Essa proteção independe de idade, etnia, paridade e situação hormonal (pré ou pós-menopausa).

A revisão de 2017 do Fundo Mundial para Pesquisas sobre Câncer (World Cancer Research Fund – WCRF) sobre lactação e câncer de mama também corrobora essa ideia, apontando que a amamentação provavelmente diminui o risco de câncer de mama em mulheres até a pós-menopausa.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), amamentar diminui esse risco, pois enquanto o bebê suga o leite, o movimento promove uma espécie de esfoliação do tecido mamário. Assim, se houver células agredidas, elas são eliminadas e renovadas durante o processo.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.