conecte-se conosco

Cultura

Livro conta a história do escotismo em Paranaguá

A pesquisa teve início em janeiro de 2018, no Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá.

Publicado

em

Na noite de sexta-feira, 26, aconteceu o lançamento do livro “Resgate da História do Escotismo em Paranaguá” escrito pelo professor João Carlos Santos Rocha. A noite de autógrafos aconteceu no auditório do Museu de Arqueologia e Etnologia, sendo realizado pelo Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá e pelo Grupo de Escoteiros Comandante Santa Ritta.

A ideia de escrever um livro surgiu na segunda quinzena do mês de dezembro de 2017, quando seu filho, Lucas, Chefe da tropa escoteira, comentou que o Grupo passava por novos e fortes momentos, pois os jovens de sua época estavam assumindo a tropa. “Ele estava triste porque vândalos adentraram na sede do Grupo e depredaram toda história do Grupo, e neste momento fez a mim um pedido. Se eu poderia pesquisar quem foi o Comandante Santa Ritta e o Dr. Didio Augusto de Camargo Vianna”, contou.

A pesquisa teve início em janeiro de 2018, no Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá, onde foi encontrado  fartos subsídios. “Iniciamos a pesquisa a partir do ano de 1913, através do Diário do Commércio (assim era a grafia da época). Além do IHGP, encontramos documentos em Curitiba e com pessoas de nossa cidade. Essa pesquisa, devido ao volume de documentos, tornou-se um livro a pedido do Grupo de Escoteiros Comandante Santa Ritta.                                  

O interessante de tudo isso é que a História do Escotismo no Brasil e inclusive em Paranaguá, se entrelaça aos primeiros anos da República em nosso País. Uma vez que a República foi proclamada em novembro de 1889 e o Movimento Escoteiro chegou no Brasil em 1910, vinte e um anos depois, através do encouraçado Minas Gerais, cujos marinheiros se encantaram com os princípios do escotismo e sentiram a necessidade de implantar no Brasil, trazendo os primeiros uniformes da Inglaterra para o Brasil. Para entendermos melhor, nos primeiros anos da República a dificuldade de se incutir as ideias nacionalistas, de patriotismo e de civismo em nossa juventude era muito difícil.

O escotismo tinha como princípio essas características. Esta é a razão que no Brasil esse movimento teve início com as instituições militares, Marinha e Exército”, explica.

SOBRE O AUTOR

João Rocha é professor de História, com graduação plena, diplomado pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Paranaguá. Possui cursos complementares de História do Brasil e História do Paraná. Uma de suas características é a atuação na área filantrópica, sendo que toda renda obtida com o livro será convertida ao Grupo Escoteiro Comandante Santa Ritta.

 

Fotos: Lizangela Pinto Siqueira

Continuar lendo
Publicidade