Connect with us

Pensar Verde

Somos especialistas em que?

Não podemos nos intitular especialistas em tudo. Não podemos falar daquilo que não conhecemos a não ser que estudemos sobre o tema

Publicado

em

Com o advento das Redes Sociais nos transformamos em “Médicos Generalistas” do mundo. Damos opinião sobre alimentação saudável, viroses, exercícios físicos, energias renováveis, resíduos sólidos, astronomia e por aí vamos. Debatemos calorosamente com a família e amigos sem termos, muitas vezes, embasamento técnico sobre o tema em pauta. Estamos fazendo o correto? 

Quando eu trabalhei na Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Curitiba, o meu chefe direto era o professor Renato Eugênio de Lima. Geólogo conceituado da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e integrante do seleto grupo de especialistas em Desastres Naturais da Organização das Nações Unidas (ONU), volta e meia ele me “puxava a orelha”. No começo aquilo me incomodava, mas hoje lembro das lições dele toda semana. Ele classificava estas pessoas que tem opinião para tudo como palpiteiros. Muitas vezes fui chamado pelo Renato por este adjetivo. Quantas toneladas de resíduos geramos este mês? Qual o índice pluviométrico (quanto choveu) da noite passada? Há previsão orçamentária para a despesa de manutenção dos parques? Citei alguns exemplos de questões que não admitem palpite. A ciência, seja ela política ou acadêmica, não tolera a falta ou a incorreção de dados. Hoje tenho aversão aos palpiteiros.

Não podemos nos intitular especialistas em tudo. Não podemos falar daquilo que não conhecemos a não ser que estudemos sobre o tema. Estamos vendo muito isso durante esta pandemia. Leio absurdos de pessoas que, com todo o respeito, não sabem nada sobre saúde pública, mas mesmo assim combatem à ciência que tem dado direção em um momento em que estamos descobrindo como agir perante o vírus da Covid19. Somente valorizando as informações de especialistas das diversas áreas de estudo conseguiremos construir uma sociedade e uma democracia cada vez mais sólida. Palpiteiros que entendem de pinico até a bomba atômica fazem mal ao País.