Connect with us

Pensar Verde

O egoísmo ainda impera

Vivemos em sociedade e dela dependemos para equilibrar as nossas necessidades. No entanto é fato que o “espírito coletivo” passa por uma fase de crise aonde cada um pensa na sua própria vida

Publicado

em

Tenho a impressão que a cada dia que passa mais temos exemplos que muitas pessoas não tem “espírito coletivo”. Entre 70 e 30 mil anos atrás tivemos o que alguns cientistas chamam de Revolução Cognitiva (processo de adquirir um conhecimento). Um novo tipo de linguagem passou a ser utilizado para a nossa comunicação e, em tese, evoluímos como habitantes deste planeta. Com o passar do tempo deixamos também de sermos indivíduos caçadores e coletores e passamos a desenvolver técnicas agrícolas que nos fixaram em determinadas regiões. Passamos para a fase das cidades.

Escrevi isso acima para vermos que o nosso processo evolutivo sempre ocorreu de maneira colaborativa com os indivíduos de nossa espécie. Vivemos em sociedade e dela dependemos para equilibrar as nossas necessidades. No entanto é fato que o “espírito coletivo” passa por uma fase de crise aonde cada um pensa na sua própria vida. Podemos observar isso nas cidades quando jogamos resíduos em terrenos baldios, poluímos os rios e saímos para festas mesmo em tempos de pandemia. Vejo muitas pessoas agindo com descaso, muitas vezes por bandeiras políticas e com isso fazem um mal para a sociedade.

As questões ambientais e de saúde não devem ser moeda de disputa política, mas sim aplicadas com políticas públicas gerenciadas com a devida atenção e respeito. Toda ação deve ser planejada por profissionais competentes e capazes de prever as consequências de suas palavras e ações. Tudo isso ao mesmo tempo em que a população deve sempre buscar a prevenção e a informação acima de tudo. Lamento que a era das enciclopédias e dos jornais impressos aos poucos perde espaço para informações sem respaldo técnico em alguns meios de comunicação digital. Talvez o egoísmo seria combatido com mais informação e não com sensacionalismo.