conecte-se conosco

Centro de Letras

Pavilhão de Desportos

Ao final de fevereiro de 1959, com as obras paralisadas logo após a inauguração e colocação das estacas, o prometido Ginásio na Praça João Gualberto já estava apelidado de “pistola”

Publicado

em

Por Alexandre Camargo de Sant’Ana 

Ao final de fevereiro de 1959, com as obras paralisadas logo após a inauguração e colocação das estacas, o prometido Ginásio na Praça João Gualberto já estava apelidado de “pistola”. Mas isso era o menor dos problemas, pois faltava água, luz, transportes, salas de aula e sobravam carestias e desigualdade. Tudo isso enquanto o porto batia recordes de exportação de café e uma elite cafeeira local – inclusive o prefeito da época – não parava de enriquecer. Essa disparidade foi um caldeirão fervente para o fortalecimento de movimentos sociais e da oposição política. 

Assim como o ginásio permaneceu uma promessa ainda por um longo tempo, as outras promessas de melhoria também não se concretizaram e a revolta popular aumentou mais e mais. Naquele contexto de ebulição social, os movimentos populares (trabalhadores, sindicalistas, comunistas e estudantes), conectados com os parnanguaras mais pobres, foram personagens essenciais no enfraquecimento do prefeito de Paranaguá. O descaso com a população era tão imenso que os parnanguaras se revoltaram literalmente em maio de 1959, indo para rua, depredando propriedade pública e atirando pedras na casa do prefeito e na usina de eletricidade a diesel, que ficava no Campo Grande. Por uma semana, o povo de Paranaguá esperava a noite chegar e tomava as ruas para protestar e exigir uma vida mais digna. Curitiba precisou enviar reforços para acalmar a situação (falaremos desta revolta em textos futuros). Sem respostas concretas, o povo retomou as ruas dois meses depois.

Nem as revoltas da população tiraram o ginásio “pistola” do papel. Alceu Maron, antigo líder dos secundaristas, despontava como vereador em 1960. Ele possuía projetos como a construção de um aquário, de uma igreja na Raia e de um “Pavilhão de Desportos” na Praça João Gualberto.

Continuar lendo
Publicidade