conecte-se conosco

Casa da Cultura

Permanece na Casa da Cultura Monsenhor Celso, em Paranaguá ,a exposição “Pássaros” com fotografias de Nivaldo Cavallari.

Publicado

em

Permanece na Casa da Cultura Monsenhor Celso, em Paranaguá ,a exposição “Pássaros” com fotografias de Nivaldo Cavallari. Quem tiver a oportunidade de prestigiar vai poder apreciar fotos de pássaros na sua grande maioria aqui do nosso município. Nivaldo passeia com rara sensibilidade do olhar e captar através de uma linguagem conceitual contemporânea pela arte da fotografia. Imperdível!

Barroco em Paranaguá

Continuando sobre a arte barroca em Paranaguá, segue o texto: ”Todavia, também no barroco continuaram a ser elaboradas tipologias de escultura autónoma. É o caso da estatuária, dos túmulos, altares, monumentos comemorativos, entre outros. Foi, talvez até, nesta tipologia “mais livre” que melhor a escultura cumpriu duas das características do Barroco,  a teatralidade e o movimento. Primeiro, porque muitos dos conjuntos escultóricos, independentemente da temática que os preside (mesmo quando de caráter religioso), são representados como se de uma cena de teatro se tratasse. O artista capta o momento em que o pathos é mais intenso e evidente na expressão das personagens e, para além dos protagonistas, não falta, muitas vezes, o público que participa, assistindo à cena. Em segundo lugar, porque o domínio técnico destes artistas sobre o material fê-los conseguir dar expressão e leveza a gélidos e pesados blocos de mármore. O barroco quis captar o momento e o movimento que lhe era implícito. Por isso os seus escultores procuraram esquemas livres de composição e tornaram as proporções do corpo humano mais esguias.

O gosto pelas poses em desequilíbrio fez com que o barroco nos trouxesse a “figura serpentina”, representação de um corpo em movimento espiral. Os panejamentos foram, também, um ingrediente importante na concretização do efeito do movimento. As vestes acompanham a agitação dos corpos e aparecem fluidas e ondulantes, acompanhando a ação e desnudando, não poucas vezes, as personagens.

O processo descrito conduz ainda a que na própria escultura se verifiquem violentos jogos de luz e sombra que trazem mais drama às composições. Os escultores, sobretudo italianos, tiveram ainda o mérito de quebrar barreiras e, por isso, conhecemos ainda hoje a sua escultura fora de palácios e igrejas, já que ela invadiu as cidades em fontes, praças e jardins confirmando a tal omnipresença de que falamos.

Continuar lendo
Publicidade