conecte-se conosco

Paróquia São João Batista

A vida, a família e religião

Por meio deste veículo de comunicação, tenho a pretensão de partilhar dos conhecimentos, dos valores e sabedorias que a…

Publicado

em

Olá caríssimo leitor e caríssima leitora do Jornal Folha do Litoral News.

Que Deus abençoe você, sua família, seus projetos e seu fim de semana!

Por meio deste veículo de comunicação, tenho a pretensão de partilhar dos conhecimentos, dos valores e sabedorias que a vida me deu e dos bens da fé que minha Igreja Católica me passou a respeito do ser humano, de Deus e deste mundo criado com tanto amor. Espero que as reflexões te façam bem!

Como cristão e padre, quando reflito sobre a minha história de vida, só tenho a agradecer a Deus e a tantas pessoas que Ele colocou em meu caminho e em tantas situações que vivi e convivi. Gratidão à minha família e à Religião que me apresentaram Jesus de Nazaré, como Filho de Deus e razão da minha existência.

A Igreja que escolhi para viver a minha fé é a Igreja Cristã Católica. Tem dois milênios de história, muitos santos, muitos coisas boas, embora com suas fragilidades, porque é uma comunidade de seres humanos que se esforçam para viver os valores divinos, ensinados pelo Filho de Deus, Jesus Cristo.

Pra mim, a Igreja é como a lua e Jesus como o Sol. A Igreja recebe a luz que vem de Deus e ilumina o mundo com esta Luz. Ela é iluminada por Cristo; contudo, como a lua, há um lado em que não chega a Luz: o lado humano e pecador da Igreja.

Sou daqueles que se dizem santos e pecadores, que em cada missa batem no peito para pedir perdão, porque nos sentimos pecadores (porque somos humanos), mas santos porque mesmo assim Jesus nos chamou e nos chama a caminhar com Ele, na direção dAquele que é Santo, Perfeito e Misericordioso.

E é esta Igreja que me ensinou a viver a religião e a partilhar dos bens da minha fé, sem ser fanático, prosélito e nem preconceituoso. Porque a religião é um jeito de viver a vida, de crer que Deus é o autor da criação, da história e da eternidade. Aprendi desta Igreja que a fé não pode ser imposta porque é um dom de Deus. Que a caridade é a melhor religião e dificilmente alguém recusa e pedimos para que Deus salve a todos!

Cada Missa que celebro como padre, é a celebração do Amor de Deus, um amor que foi ao extremo da cruz; é a celebração do Perdão de Deus, um perdão dado a todos os seres humanos, até mesmo aos que crucificaram e crucificam a Jesus, porque não sabiam e não sabem o que fazem. São esses os valores que procuro partilhar… da fé que gera esperança para o mundo e que se expressa no amor ao próximo.

Bom fim de semana e boa primavera!

Publicidade










plugins premium WordPress