conecte-se conosco

Fábio Campana

Abaixo da linha da cintura

Desde já, nenhuma das bandas economiza golpes abaixo da linha da cintura.

Publicado

em

Desde já, nenhuma das bandas economiza golpes abaixo da linha da cintura. Tudo indica que os candidatos manterão a linha e a dissimulação. Mas seus exércitos não vão poupar munição. Hoje, o que mais fazem é procurar manchas dos adversários registrados em planilhas da Lava Jato. Cada descoberta vale ouro.
Há uma dose enorme de desfaçatez nos gestos dos políticos que se engalfinham e lançam acusações, infundadas ou não, com o único objetivo de tirar o adversário de campo. Chega a ser cômico observar trogloditas de ontem encenando indignação e exigindo bons modos da turma ascendente. Aqui, na terrinha, não será diferente. De sorte que devemos nos preparar para o pior. Troca de insultos, escândalos, factoides, denúncias escabrosas, tudo temperado em pote de mágoa e ressentimentos.
O povo, este povo que sabe ou não sabe votar, acostumou-se a suportar o espetáculo da política com naturalidade. Em compensação, as chamadas elites (privilegiadas consumidoras de proteínas animas) vivem o pavor de perder o que têm, conservadas no vácuo da falta de espírito crítico e senso de humor.

 

Fala, Barack

O PT quer uma forcinha na campanha de internacionalizar o debate se Lula poderá ou não ser candidato nas próximas eleições. Dirigentes estão a mandar recados a Barack Obama para que ele se pronuncie. Não é tarefa fácil, apesar da famosa frase “É o cara”, que Obama pronunciou para Lula, a relação dos dois nunca foi muito estreita: “Na relação com o Brasil, o Bush e a Condoleezza [Rice, secretária de Estado americana à época) foram muito mais democráticos que o Obama e a Hillary Clinton [primeira chefe da diplomacia americana do democrata]”, segundo o próprio Lula.

 

Mais uma bravata

Requião agora quer ser presidente. Diz que fácil, fácil ganharia eleição para governador ou para senador, mas que “desprovido de ambição pessoal” não poderia faltar à nação neste momento. Resolveu encaminhar o nome para o diretório nacional do MDB como alternativa à crise econômica e institucional que o País vive e jura, pés juntos, que “não é um ato de aventura”.

Continuar lendo
Publicidade