Connect with us

Portos do Paraná

Teste do etilômetro mostra eficácia no Porto de Paranaguá

Profissional não é obrigado a fazer o teste, mas, ao se recusar, não acessará a faixa portuária (Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná)

Publicado

em

Teste do etilômetro mostra eficácia no Porto de Paranaguá

Teste verifica o nível de álcool

Na primeira semana do novo protocolo para o acesso de trabalhadores ao cais do Porto de Paranaguá foram feitos cerca de 80 testes com etilômetro. A Guarda Portuária identificou apenas um resultado positivo, de segunda-feira, 30 de novembro, até sábado, 5 de dezembro. O operador de máquina que apresentou mais de 0,3 miligramas de álcool por litro de ar alveolar foi bloqueado e a empresa responsável por ele notificada.

De acordo com Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho da empresa Portos do Paraná, o resultado positivo indica eficácia tanto do sistema de sorteio aleatório, em sistema eletrônico, quanto do equipamento, da abordagem e do protocolo a ser seguido após o teste.

“Faz mais de 90 dias que estamos falando sobre esse novo protocolo e disseminando essa informação. É importante que todos saibam que o teste é eficaz, já detectou uma situação que poderia gerar risco às pessoas. Isso também serve de alerta. Pedimos que todos disseminem essa informação, que o teste está sendo feito no Porto de Paranaguá, que é eficaz e vai contribuir para segurança do porto como um todo”, afirma o representante da gerência, José Sbravatti.

De acordo com ele, nessa primeira semana, as equipes de Saúde e Segurança do Trabalho e da Unidade Administrativa de Segurança Portuária (Uasp) aproveitaram para observar e organizar a logística desse momento dos testes. “Vimos que é possível colocar essa medida na rotina, de uma maneira que não impacte”, comenta.

Abordagem

De acordo com o guarda portuário Thiago Matozo, coordenador de Monitoramento da Guarda Portuária, durante a primeira semana houve um pouco de apreensão por parte dos trabalhadores, mas a equipe da Uasp estava preparada para esclarecer e acolher todas as dúvidas e receios dos que acessavam o cais.

“Bastante gente vinha nos perguntar, tirar dúvidas. Nós fomos bem abertos para os questionamentos, pois estávamos preparados para esse tipo de pergunta. Mas a maioria entendeu que é para o próprio bem. O caráter da ação é, exatamente, resguardar o trabalhador”, afirma.

Sobre o resultado positivo desta primeira semana, o agente de Segurança se diz satisfeito com o encaminhamento. “Era um operador de máquina, de um veículo automotor, e, sendo um condutor, ele deveria ser mais rigoroso e ter mais responsabilidade. A gente notificou, repassou para a Gerência de Saúde e Segurança no Trabalho, e esse funcionário foi impedido de entrar na faixa portuária”, completa Matozo.

Ainda segundo Matozo, desde o início dos testes não houve recusa por parte dos trabalhadores.

Procedimento

Em todos os turnos, as pessoas que acessam a faixa podem ser sorteadas a passar pelo teste que verifica o nível de álcool. Ao passarem pela catraca, o sistema aleatoriamente bloqueia o trabalhador e avisa que ele deverá passar pelo etilômetro.

Quando isso ocorre, o trabalhador deve procurar a equipe da Guarda Portuária, que fará o exame. O profissional não é obrigado a fazer o teste, mas, ao se recusar, não pode acessar a faixa portuária.

Como explica José Sbravatti, as informações sobre os testes coletadas pela guarda são encaminhadas para a Gerência de Saúde e Segurança no Trabalho, que faz a gestão das informações.

“Em caso positivo, nós notificamos formalmente a empresa, encaminhamos o resultado, e comunicamos que o funcionário está com o acesso bloqueado e, para regularizar, a empresa deverá encaminhar um relatório, comprovando as medidas adotadas para que isso não volte a acontecer”, afirma. A empresa tem cinco dias para fazer esse encaminhamento.

Em caso de reincidência, ou seja, se o trabalhador for pego novamente tentando acessar a faixa portuária sob efeito de álcool, ele pode ser impedido de voltar a acessar o porto. Em caso negativo, automaticamente o trabalhador é liberado para acessar o local.

Próximo Passo 

Essa medida de segurança, de aplicação dos testes com o etilômetro, será ampliada. “Um segundo passo está sendo organizado pela gerência da Uasp para colocar em prática, nas próximas semanas, as blitze para realizar os testes também com os motoristas que acessam a faixa. Esse será um passo ainda mais importante para os resultados. Mais segurança para todos”, garante o guarda portuário Thiago Matozo.

Fonte: AEN

Leia também: Portos do Paraná se preparam para o futuro