Connect with us

Meio Ambiente

Estado do Paraná intensifica ações para proteção da fauna silvestre

Investimentos viabilizam a criação de espaços para receber animais vítimas de crimes como maus-tratos, comércio ilegal, tráfico e cativeiro irregular (Foto: Denis Ferreira Netto/SEDEST)

Publicado

em

fauna silvestre

Proteção à fauna silvestre foi tema de live do projeto Diálogos da Conservação

A preservação da fauna silvestre é um dos focos das políticas públicas do Paraná na área do meio ambiente. Já houve investimento de cerca de R$ 1 milhão em um conjunto de ações para a gestão e conservação de espécies do bioma paranaense e na educação ambiental. Ações voltadas aos animais silvestres no Estado foram apresentadas na terça-feira, 6, durante live no canal da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo no YouTube.

De acordo com o secretário da pasta, Márcio Nunes, o conceito de meio ambiente envolve tudo o que versa sobre a vida na terra, e a fauna silvestre ganhou uma fonte de recursos própria para que as atividades não sejam pontuais. “Além de criar Centros de Apoio à Fauna Silvestre, os chamados Cafs, contratamos mais profissionais e os capacitamos para oferecer qualidade nesse atendimento. São investimentos que ficarão, independente da gestão estadual”, disse.

Atualmente existe um Cafs com sede em Curitiba e outros quatro foram autorizados no Interior do Estado. O objetivo é oferecer atendimento regional, sem a necessidade de transportar os animais vítimas de crimes como maus-tratos, comércio ilegal, tráfico e cativeiro irregular até a capital para o tratamento médico veterinário.

A gestão da fauna silvestre é de competência do Instituto Água e Terra (IAT), órgão vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo e realizado em parceria com os municípios.

O diretor-presidente do IAT, Everton Souza, destacou a articulação conjunta também com outras instituições. “Isso é fruto do esforço das pessoas que atuam nas instituições estaduais e municipais, também com apoio das universidades, e que buscam continuamente soluções conjuntas para dar respostas a temas importantes, como a fauna silvestre”.

Pró-Fauna

As ações do Estado fazem parte das iniciativas Pró-Fauna, estabelecidas como estratégias para o enfrentamento dos problemas que impactam a fauna silvestre, além da capacitação de profissionais, incluindo treinamento contínuo de pessoal.

“Buscamos o atendimento condigno e a proteção necessária, em especial aos animais vítimas de tráfico e maus-tratos”, disse a bióloga Paula Vidolin. De acordo com ela, é comum encontrar animais vitimados por comércio e cativeiro irregulares, tráfico, maus-tratos e também pela falta de local adequado na destinação ao habitat natural após a apreensão.

De janeiro a agosto deste ano, dados da Polícia Ambiental Força Verde apontam que cerca de 4 mil animais silvestres foram vitimados pelo tráfico ou por cativeiro irregular. Entre as espécies mais apreendidas estão os pássaros trinca-ferro, canário-da-terra, coleirinho, papagaio-verdadeiro, papagaio-de-peito-roxo e periquito-rico. Houve, ainda, a apreensão de 2.111 gaiolas e 122 armadilhas no período.

“O IAT atua na proteção da fauna silvestre em condição de cativeiro e em condição de vida livre. E, recentemente, o resgate de fauna em situação de risco passou a ser realizado pelo instituto”, explicou a bióloga.

O trabalho em cativeiro envolve o licenciamento de empreendimentos que fazem uso e manejo de fauna, como zoológicos, criadores conservacionistas e científicos, mantenedores, entre outros, além do cadastramento e da autorização de criadores amadores de passeriformes (aves) da fauna nativa e do apoio à fiscalização.

Com a fauna em vida livre, as ações são na análise de estudos de impacto ambiental e na autorização de estudos de fauna vinculados ao licenciamento de empreendimentos.

“Houve aumento da presença de animais silvestres em centros urbanos, como gambás, ouriços e corujas. Eles têm esse ambiente como habitat e por isso é necessária a orientação da população para o convívio pacífico”, afirmou Paula, que citou também a presença inusitada de espécies não comuns nesse tipo de ambiente, como a onça.

“Isso acontece devido à expansão urbana ou porque ocorre o deslocamento do animal, que em virtude da fragmentação de habitats. Ele acaba não encontrando corredores naturais para sua melhor mobilidade”, destaca a bióloga.

Ao se deparar com animais silvestres em situação de risco (tanto para o animal quanto para as pessoas), a orientação é acionar o Batalhão de Polícia Ambiental – Força Verde pelo telefone 180, o Corpo de Bombeiros (181) ou o escritório regional do IAT mais próximo. Em Curitiba o telefone do órgão ambiental é (41) 3213-3830. Não é indicado se aproximar dos animais, nem tentar imobilizá-los sem a ajuda de profissionais.

Crime

O artigo 24 do Decreto Federal n.º 6.514/2008 estabelece como crime contra a fauna matar, perseguir, caçar, apanhar, coletar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, com pena variando entre detenção de seis meses a um ano e multa.

O tráfico de animais silvestres configura-se como uma das maiores atividades predatórias. De acordo com a Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas), 38 milhões deles são retirados da natureza todos os anos no Brasil e cerca de 4 milhões são vendidos clandestinamente. A estimativa é que pelo menos 10 mil animais ao ano sejam vitimados no Estado.

Diálogos da Conservação

A live foi moderada pelo diretor de Patrimônio Natural do IAT, Rafael Andreguetto. A transmissão foi terceira edição do projeto Diálogos da Conservação, em comemoração ao Dia Nacional de Defesa da Fauna (22/09) e ao Dia Mundial dos Animais e da Natureza (4/10). Os eventos já debateram temas em comemoração à Semana Nacional do Meio Ambiente (5/06), ao Dia de Proteção às Florestas (17/07) e ao Dia Mundial de Conservação da Natureza (28/07). A iniciativa ocorrerá periodicamente, uma oportunidade de aproximação às temáticas ambientais relevantes ao Estado, especialmente diante dos desafios atuais de pandemia da Covid-19 e de crise hídrica. É possível assistir aos conteúdos no Portal Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo no YouTube  (http://youtu.be/Q4NJB1WlduU).

Fonte: AEN


Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.