conecte-se conosco

Litoral

Comercialização do caranguejo segue alta em Paranaguá

O crustáceo é um dos principais atrativos culinários da região

Publicado

em

A temporada de captura do caranguejo-uçá está permitida desde o dia 1.º de dezembro e muitas pessoas estão em busca do crustáceo em Paranaguá. Os vendedores relatam que a procura está alta, mas ainda tende aumentar nas próximas semanas no litoral do Paraná.

Flávio Costa, morador na Ilha dos Valadares, vende caranguejo há muitos anos no entorno do Mercado do Peixe “Brasílio Abud”, próximo a Rua da Praia, em Paranaguá. “A procura está boa, os nossos caranguejos vem de Guaraqueçaba, Tibicanga e região. O meu pai vive disso e eu sempre ajudo ele, enquanto ele está no mangue pegando caranguejo, eu estou aqui vendendo. Em média consigo vender 40 dúzias de caranguejos por dia, quando a procura é grande. Eu fico aqui neste ponto de segunda a domingo, só chegar e me procurar”, explicou.

Flávio Costa, morador na Ilha dos Valadares, vende caranguejo com seu pai há muitos anos na cidade

O crustáceo é um dos principais atrativos culinários da região e costuma ser servido inteiro depois de cozido com especiarias. Os acompanhamentos são caldo de feijão, vinagrete e farinha de mandioca branca.

Para Richard dos Santos Luz, morador na Ilha dos Valadares, além do Centro Histórico, há diversos pontos espalhados pela cidade que comercializam o caranguejo. “Antigamente era só no Mercado da Ostra que vendiam, hoje em dia tem também na Vila Guarani, Curva da Praia, na antiga Penha, ou seja, se espalhou muito pela cidade e quando o caranguejo anda vai muita gente para o mangue. Esse meu caranguejo é lá do Guapecum e vendo de segunda a segunda. Em média, por dia, vendo em torno de 30 a 40 dúzias, dependendo do movimento” disse.

Turistas que chegam a Paranaguá procuram os pontos de vendas para degustar o crustáceo. Segundo os vendedores entrevistados, pessoas de Curitiba e de outras regiões já compraram caranguejo este ano.

Com o fim de ano e férias se aproximando, a tendência é que as vendas aumentem já nas próximas semanas. No Paraná, a captura do caranguejo-uçá é regulamentada pela portaria do IAP n.º180/2002. Capturar, transportar, comercializar, beneficiar, ou industrializar os crustáceos em desacordo com as restrições determinadas pela Portaria será enquadrado na Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/1998 e Decreto Federal n.º6.514/2008).

O caranguejo-uçá é um dos principais atrativos culinários da região. Além disso, os caranguejos fazem parte da cadeia alimentar, oxigenam os manguezais e distribuem nutrientes no solo quando fazem suas tocas, sendo essenciais para a preservação do ecossistema.

Darci de Paula, morador na Ilha dos Valadares, vende caranguejo há mais de 65 anos. “As vendas estão indo bem, baixei o preço porque a gente vende bastante dúzia e conseguimos um troquinho a mais. Eu não vendo só para os moradores da Ilha dos Valadares, mas também para fora da cidade, por exemplo, Curitiba e praias”, observou. Paula disse que retira do mangue cerca de 10 dúzias do crustáceo por dia e vende em torno de 20 a 30 dúzias. “Quando o caranguejo anda, todo mundo vai para o mangue pegar, mas quando ele fica só na toca, aí somente nós que somos profissionais que pegamos para vender, é aí que o preço da dúzia poderá aumentar, algo que refletirá nas próximas semanas”, completou.

Darci de Paula vende caranguejo há mais de 65 anos na Ilha dos Valadares

É importante que os pescadores coletem diferentes tamanhos de caranguejo (respeitando as medidas estabelecidas pela portaria 180/2002), para que haja a manutenção da variabilidade dentro da espécie.