conecte-se conosco

Direito & Justiça

Advogados de defesa e assistência de acusação comentam adiamento do Júri do caso Isabelly

Julgamento aconteceria na Câmara de Pontal do Paraná na segunda-feira, 7, e foi adiado após pedido de juntada de documentos

Publicado

em

Marcado para acontecer na segunda-feira, 7, o Tribunal do Júri de Everton Vargas, acusado pelo homicídio da youtuber Isabelly dos Santos, ocorrido em fevereiro de 2018, foi adiado pela Justiça a pedido do advogado de defesa, Cláudio Dalledone, devido ao pedido de juntada de documentos que não estavam nos autos, abrangendo o laudo da reprodução simulada. A advogada Thaise Mattar Assad, assistente de acusação, defendeu a redesignação do julgamento para trazer mais provas ao caso e colaborar com a análise dos jurados. A principal questão é em torno do acusado ter saído do carro ou não para ter efetuado os disparos de arma de fogo no dia da morte da Youtuber, no balneário Canoas, algo que possui diferentes versões pelas denúncias apresentadas. 

Outro desdobramento foi o protocolo feito pela defesa para que o Ministério Público adite, ou seja, modifique a denúncia, algo que importaria “na nulidade de todos os atos, voltando o processo para a estaca zero”.

Dalledone discorda da assistência de acusação sobre alegar nos veículos de imprensa “que a delegada afirmou que a reprodução simulada tinha o Everton atirador fora do carro”, explica ele. “Isso não aconteceu, porque sequer nós temos a reprodução simulada dentro dos autos e a reprodução simulada, a falta dela, a ausência dela, fez com que este julgamento fosse adiado a requerimento da defesa, a assistência da acusação nunca concordou”, completa.

Advogado de defesa, Cláudio Dalledone, explica que foi o autor do pedido acatado pela Justiça, que determinou adiamento do Júri e soltura de Everton Vargas

“Durante todos esses quatro anos do processo nós defendemos sempre a situação do promotor. O promotor acusa Everton Vargas de estar sentado e de ter efetuado os disparos e que por ele também é consentido, é anuído, porque é a verdade dos fatos. Vem agora a assistência inovando e, por conta disso e em razão disso, fizemos um requerimento à Juíza de Direito, que ela então determine que o Ministério Público adite a denúncia, modifique a denúncia, para que eu possa defender o Everton com ele fora do carro. Isso importa na nulidade de todos os atos, voltando o processo para a estaca zero, lá para trás”, reforça Dalledone. “No Júri a verdade vai ser reestabelecida”, explica, reforçando também que Cleverson Vargas, irmão de Everton Vargas, que dirigia o carro, foi inocentado em dezembro de 2018. 

“A Juíza está atenta a tudo isso, a Juíza está com uma pedra, imparcial, julgando de acordo com o que devido processo legal determina e de acordo com o Estado Democrático de Direito”, ressalta o advogado, reforçando que Everton Vargas, acusado que será julgado no Júri, também foi solto após o adiamento do julgamento. Dalledone reforça que o titular da acusação, que é o Ministério Público, sustentou que Everton estava dentro do carro no momento do disparo. “Se ele está dentro do carro ele deve responder esta acusação”, explica. “O povo vai decidir, mas ele tem que decidir de acordo com a verdade”, ressalta. 

Segundo a defesa, a Justiça determinou que seja oficiada à Polícia Científica do Paraná “para que encaminhe ao Juízo, todo o material confeccionado durante a ‘reconstituição dos fatos’ ocorrida em 22/02/2018, como requerido pelas partes, no prazo de 15 dias”.

Assistência de acusação

Em nota à imprensa divulgada na sexta-feira, 4, a assistente de acusação, que defende a família da youtuber Isabelly Santos, a advogada Thaise Mattar Assad, afirmou em nota que, devido à ausência de imagens fundamentais resultantes da reprodução simulada do homicídio ocorrido em 22 de fevereiro de 2018, houve, por meio das investigações da Delegada de Polícia, demonstração de que o veículo onde estava Isabelly, não estaria em alta velocidade e não teria feito manobra brusca de cavalo de pau. Outro ponto alegado pela assistência de acusação é de que “o acusado Everton teria desembarcado do veículo para ter ângulo para efetuar os disparos”, acrescenta.

“Com a intenção de disponibilizar aos jurados mais uma importante prova de acusação e evitar nulidades futuras – que prejudicariam os cofres públicos, trariam tumulto processual e ainda mais dor e sofrimento para os familiares da vítima –, esta assistência de acusação, em concordância com pleito ministerial de redesignação, pugnou pela urgente juntada da prova de acusação e redesignação do júri para a data mais próxima possível”, afirma a nota da advogada.

“Sobre o pedido de aditamento da denúncia, esta assistência de acusação se manifestará nos autos”, afirma a advogada Thaise Mattar Assad, não enxergando “qualquer perigo de nulidade processual” (Foto: Divulgação/Redes Sociais)

Em entrevista à Folha do Litoral News nesta semana, a advogada reafirmou que “a redesignação do julgamento foi uma decisão adequada, para se evitar nulidades futuras, em razão de mídias faltantes nos autos”, aponta. Thaise Mattar Assad também se posicionou sobre a soltura de Everton Vargas. “Com relação à liberdade, entendemos que não ocasiona prejuízo atual para o bom andamento do feito, justamente pela perspectiva de um julgamento próximo e que trará uma resposta punitiva adequada”, informa.

“Esta assistência de acusação, além de não enxergar qualquer perigo de nulidade processual, reafirma que todas as suas manifestações são pautadas em documentos oficiais do processo. Sobre o pedido de aditamento da denúncia, esta assistência de acusação se manifestará nos autos, em momento oportuno, caso entenda necessário. O momento é de se aguardar a juntada das mídias faltantes e a consequente realização do julgamento pelo tribunal do júri”, finaliza Thaise Mattar Assad.

Entenda o caso

Crime aconteceu na madrugada de 14 de fevereiro de 2018, em Pontal do Paraná, quando autor realizou seis disparos contra o carro em que estava a youtuber Isabelly (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

O crime aconteceu na madrugada de 14 de fevereiro de 2018, em Pontal do Paraná, quando Everton realizou seis disparos contra o carro em que estava a youtuber Isabelly. O crime aconteceu em Pontal do Paraná, na PR-412. Ela voltava de uma entrevista realizada em uma casa noturna junto com a mãe, o motorista e um colega que ajudava nas gravações para o seu canal no youtube Isa Top Show.

Um dos tiros atingiu a cabeça da vítima, ela chegou a ser socorrida e encaminhada ao Hospital Regional do Litoral (HRL), mas faleceu. Os irmãos Vargas, que estavam no carro de onde partiram os disparos, foram indiciados pelo crime alguns dias depois do ocorrido, sendo que Everton efetuou o disparo e Cleverson dirigia o carro. No entanto, somente Everton será julgado no Tribunal do Júri.