Connect with us

Coronavírus

Mercado do Café atende dentro das normas exigidas

Movimento reduziu, mas não afastou os tradicionais clientes

Publicado

em

Desde o último dia 13, o Mercado o Municipal do Café de Paranaguá está atendendo seguindo as normas do Decreto Municipal 1940/2020, o qual mantém as medidas de distanciamento social como forma de evitar a transmissão comunitária da Covid-19. Após ter ficado fechado por 20 dias, o espaço vai retomando as atividades e os empresários reencontrando com os clientes que já podem matar as saudades dos salgados oferecidos no local.

Sergio Kubo ressalta que as vendas caíram 60%

O comerciante Sérgio Kubo, proprietário de pastelaria tradicional, conta que o movimento caiu 60% com a pandemia. “Estamos vendendo menos da metade, e, além disso, não podemos abrir aos sábados e domingos, mas compreendemos a situação”, ressalta.

A atendente Jane dos Santos trabalha no Mercado do Café há quase dez anos e conta que esta é a primeira vez que vive uma situação assim. “Não estamos tendo movimento de turistas porque as pessoas não podem viajar, mas os nossos fregueses de Paranaguá estão vindo todos os dias tomar o café da manhã e da tarde”, apontou.

Atendente Jane dos Santos com o freguês José das Neves

José das Neves é um dos clientes fiéis. “Para o dia começar bem gosto de passar no mercado. Nos dias em que ficou fechado senti falta, mas agora estamos aqui mantendo todos os cuidados”, contou.

Quem aproveitou para voltar ao mercado foi uma das antigas clientes, Maria Rozilda de Oliveira, que atualmente reside em Curitiba, mas tem a família em Paranaguá. Ela foi tomar o café da manhã com a filha Adriani Keli e o sobrinho Jesus Moreira. “Frequento o mercado desde 1975 e uma das curiosidades é que o pastel ainda tem o mesmo sabor. Por isso, existe essa tradição, e atualmente com a essa pandemia os clientes se afastam um pouco, mas não somem porque o mercado já faz parte da vida dos parnanguara”, destacou. 

Maria Rozilda Oliveira com a filha e o sobrinho. Ela frequenta o mercado há mais de 40 anos

Continuar lendo