conecte-se conosco

Coronavírus

Fiocruz alerta para incidência extremamente alta de SRAG no Paraná

Ocupação de leitos UTI Covid-19 no Estado está em 59%

Publicado

em

Na sexta-feira, 3, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou a nova edição do Boletim Observatório Covid-19 Fiocruz, onde apontou que o Brasil registrou queda no número de óbitos pela décima semana seguida, algo que representa uma redução média diária de 1,6% durante a Semana Epidemiológica 34, de 15 a 28 de agosto, com queda também na incidência de casos confirmados nesse mesmo período em 2,4% ao dia. Apesar dos índices de controle do Coronavírus, segundo a Fiocruz, o Paraná está com incidência extremamente alta de Síndromes Respiratórias Agudas Graves  (SRAG), que está correlacionada com a pandemia. 

Segundo a Fiocruz, houve queda também no Brasil com relação ao número de testes positivos para a Covid-19.  “Os cientistas do Observatório Covid-19 ressaltam que os valores médios registrados nesta última SE — 24,6 mil casos novos e 670 óbitos diários —  implicam na necessidade de atenção frente à hipótese de agravamento da pandemia, sobretudo pela difusão da variante Delta no momento em que grande parte da população ainda não completou o esquema vacinal. Atualmente, a taxa de letalidade está em torno de 2,8%, que é considerada alta frente a outros países que adotam medidas de proteção coletiva, testagem e cuidados intensivos para doentes graves”, detalha.

“Apesar de ainda ser necessário avançar na ampliação e aceleração da vacinação, esse processo contribui para a importante tendência de redução da incidência e mortalidade, sendo notável o declínio no número absoluto de internações e óbitos em todas as faixas etárias”, dizem os pesquisadores do Observatório feito pela Fiocruz. Segundo oestudo técnico, feito com dados do MonitoraCovid-19, 193 milhões de doses de vacinas foram aplicadas no Brasil. “O plano de imunização atingiu 82% da população com a primeira dose e 39% com o esquema de vacinação completo, considerando as pessoas com mais de 18 anos”, informa.

Para a Fiocruz, os níveis de incidência de SRAG, de um modo geral, estão em redução no Brasil. “Mas cinco unidades da Federação ainda apresentam grau de incidência extremamente alto. São eles: Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, São Paulo e o Distrito Federal. Além disso, muitas capitais das regiões Sul, Sudeste e Nordeste registraram tendência de aumento de casos: Porto Alegre, Florianópolis, São Paulo, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, Salvador, Aracaju, Maceió, João Pessoa, Natal e Fortaleza”, detalha.

Outro ponto que causou preocupação aos estudiosos foi que o Boletim Infogripe por faixa etária apresentou uma estabilidade na faixa etária dos adultos, ao invés de uma redução mais acentuada. Houve estabilidade para crianças e adolescentes em patamares altos em relação a outros momentos da pandemia. “Continua a ser importante ter ações de vigilância para evitar novos aumentos, promover a vacinação e evitar uma maior disseminação do vírus Sars-CoV-2 para o interior dos estados”, diz o relatório.

Ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no SUS

Segundo o informe, o Rio de Janeiro precisa ter atenção, devido ao crescimento na ocupação de leitos de UTI Covid-19 registrado no Sistema Único de Saúde (SUS). “Roraima é o único estado com taxa de ocupação superior a 80%, mas atualmente conta com apenas 50 leitos disponíveis em um hospital de Boa Vista, dos quais 41 (82%) estavam ocupados no dia da obtenção do dado. Além do Rio de Janeiro (72%), somente Goiás está na zona de alerta intermediário (≥60% e <80%)”, destaca.

“Curitiba apresentou aumento (72% para 75%) e Porto Alegre, que nas três semanas anteriores manteve taxas abaixo de 60%, registrou crescimento preocupante (59% para 66%). Belo Horizonte mantém tendência de queda, atingindo taxa de 61% no SUS e Fortaleza apresentou um crescimento expressivo do indicador na última semana”, relata a Fiocruz, destacando a situação de Curitiba.

Ao todo, 24 estados estão fora da zona de alerta da ocupação de leitos. São eles: Rondônia (43%), Acre (9%), Amazonas (41%), Pará (42%), Amapá (15%), Tocantins (43%), Maranhão (45%), Piauí (41%), Ceará (37%), Rio Grande do Norte (31%), Paraíba (18%), Pernambuco (38%), Alagoas (16%), Sergipe (25%), Bahia (33%), Minas Gerais (31%), Espírito Santo (42%), São Paulo (36%), Paraná (59%), Santa Catarina (47%), Rio Grande do Sul (55%), Mato Grosso do Sul (37%), Mato Grosso (45%) e Distrito Federal (58%). Os índices demonstram o Paraná com 59% de ocupação de leitos de UTI Covid-19 no momento.

De acordo com a fundação, duas capitais estão com taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 superiores a 80%: Boa Vista (82%) e Rio de Janeiro (96%). “Cinco capitais estão na zona de alerta intermediário: Fortaleza (60%), Belo Horizonte (61%), Curitiba (75%), Porto Alegre (66%) e Goiânia (69%). Vinte capitais estão fora da zona de alerta: Porto Velho (40%), Rio Branco (10%), Manaus (41%), Belém (35%), Macapá (17%), Palmas (37%), São Luís (47%), Teresina (40%), Natal (30%), João Pessoa (13%), Recife (34%), Maceió (17%), Aracaju (32%), Salvador (27%), Vitória (40%), São Paulo (36%), Florianópolis (21%), Campo Grande (43%), Cuiabá (31%) e Brasília (58%)”, destaca, demonstrando a situação da capital paranaense, que está em zona de alerta intermediária.

Mais vacinas

Segundo a Fiocruz, é essencial que seja ampliado o número de vacinas contra a Covid-19 para todos os grupos de forma imediata. “Idosos necessitam da terceira dose e adolescentes a partir dos 12 anos, com campanhas de estímulo das pessoas que devem receber ambas as doses, a busca ativa de faltantes e a organização da rede de atenção básica do SUS mais próxima da população e com condições de atendimento e aplicação de vacinas”, completa o relatório. Para os cientistas da fundação, enquanto a pandemia prosseguir, é necessário seguir também com a prevenção, com uso de máscaras de qualidade e distanciamento social. 

Pandemia atinge mais jovens

De acordo com a Fiocruz, houve uma queda de internações e mortes por Covid-19 em todas as faixas etárias, entretanto, esta redução não é tão grande na faixa de pessoas acima de 80 anos. “Quanto ao registro de óbitos, os dados indicam que o pico está se deslocando para as idades mais avançadas e reconstruindo o cenário observado no período anterior ao início da vacinação. A proporção de casos internados entre idosos, que já esteve em 27% (SE 23, 6 a 12 de junho), hoje se encontra em 48,4%. Já a fração dos óbitos, que encontrou na mesma semana 23 a menor contribuição (44,6%), hoje está em 71,1%. Em outras palavras, a reversão demográfica é mais dramática no que se refere ao número de mortes, porque a concentração está substancialmente maior nas faixas etárias mais longevas”, relata a Fiocruz.

“A análise demográfica desta última quinzena apresenta comparações entre a primeira Semana Epidemiológica (SE 1, de 3 a 9 de janeiro) e a de número 33 (SE 33, de 15 a 21 de agosto). Desde a SE 24 (13 a 19 de junho), para as internações hospitalares e de UTI, e desde a SE 23 (6 a 12 de junho), para os óbitos, houve uma reversão da idade média para os três indicadores. A mediana de internações hospitalares, ou seja, a idade que delimita a concentração de 50% dos casos, foi de 66 anos na SE 1 para 59 anos na SE 33. No caso das internações em UTI, os valores de mediana foram, respectivamente, 68 e 63 anos; para óbitos, 73 e 72 anos”, finaliza a assessoria.

Com informações da Fiocruz

Foto: Erasmo Salomão/MS – EBC

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.