conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Litoral confirma 72 novos casos de Dengue em uma semana

Informe da Sesa confirma mais três óbitos pela doença no Paraná

Publicado

em

Foto: Christophe Simon

Na terça-feira, 12, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou o Informe Epidemiológico n.º 33/2021-2022 sobre a situação da dengue em todo o Paraná. Segundo os dados técnicos, neste boletim, o litoral paranaense contabilizou 72 novos casos de Dengue, doença causada pelo mosquito Aedes aegypti. A análise abrange o período entre o dia 6 a 12 de abril.

Desde o início do ciclo foram confirmados 16.560 casos e cinco mortes por Dengue no Paraná.

Os dados são do 33.º Informe Epidemiológico, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1.º de agosto de 2021 e deve seguir até julho de 2022.

Litoral 

No informe divulgado pela Sesa, o município de Morretes não registra casos confirmados da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti, desde agosto de 2021. Ao todo, o litoral contabiliza 139 casos, sendo Matinhos (98); Pontal do Paraná (24); Paranaguá (11); Guaratuba (3); Antonina (2) e Guaraqueçaba (1).

Segundo o documento emitido nesta semana, nenhum óbito foi registrado nos municípios da região litorânea.

O litoral do Paraná tem 156 casos em investigação da doença, sendo: Pontal do Paraná (76); Paranaguá (45); Matinhos (23); Guaratuba (10) e Morretes (2).

O Informe Epidemiológico n.º 33/2021-2022 da Secretaria de Estado da Saúde indica que no litoral não há confirmações de febre Chikungunya e de Zika Vírus.

Ao todo, o litoral contabiliza 139 casos da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti. (Foto: Venilton Kuchler / Arquivo AEN)

Paraná

O boletim semanal da Dengue publicado na terça-feira, 12, pela Secretaria de Estado da Saúde registra mais 4.885 casos, somando 16.560 confirmações – um aumento de 41,81%, em 278 cidades, além de 12.465 novas notificações, totalizando 52.575 registros em 360 municípios. Há ainda, 19.051 casos em investigação.

“Este aumento vertiginoso no número de casos notificados e confirmados apontam para uma situação de iminente epidemia, por esse motivo é necessário fazer um alinhamento de medidas, principalmente no que se refere a ação do Estado nas Regionais e consequentemente nos municípios”, explica o secretário de Estado da Saúde, César Neves.

A Sesa realiza constantes ações de prevenção por meio das 22 Regionais de Saúde. A proposta, agora, é focar em uma estratégia que se mostrou eficaz no combate à doença durante a epidemia de 2019. “Precisamos sensibilizar os municípios para que centralizem o atendimento da dengue em uma unidade de referência para o acolhimento deste paciente. Isso favorece um manejo adequado dos pacientes por parte dos médicos, evitando condutas que possam resultar no agravamento da doença”, disse o secretário.

O contingenciamento de insumos e o combate dos focos dos criadouros com apoio da Defesa Civil também são ações estratégicas para combater a dengue. “Já estamos desenvolvendo ações em vários municípios de forma direta com as Secretarias Municipais de Saúde, realizando mutirões para eliminação dos criadouros. Estaremos com toda estrutura necessária da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros para apoiar em tudo que estiver ao nosso alcance”, afirmou o coronel Fernando Raimundo Schunig, da Defesa Civil.

Criadouros

Com ações simples de remoção, proteção, limpeza e destinação adequada de resíduos sólidos, é possível evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti.

“90% dos criadouros são passiveis de remoção. Reforçamos a orientação de que as medidas de prevenção contra a dengue precisam ser adotadas por toda a população, a maioria dos criadouros estão presentes nos domicílios, por isso a recomendação para que todos verifiquem suas casas, quintais e eliminem os focos de água parada”, complementa a coordenadora de Vigilância Ambiental da Sesa, Ivana Belmonte.

Óbitos

O Paraná totaliza cinco mortes pela doença, desde o novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1.º de agosto e deve seguir até julho de 2022.

Três novos óbitos ocorreram nas regiões Oeste e Noroeste do Estado, entre os dias 1º de fevereiro e 24 de março de 2022. Trata-se de dois homens, um de 86 anos, que residia no município de Matelândia, outro de 74 anos morador de Tapira; e uma mulher de 32 anos, residente de Medianeira. Os dois óbitos anteriores ocorreram nos municípios de Arapongas e Nova Esperança.

Com informações da Sesa