conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Litoral confirma 121 novos casos de Dengue em uma semana

Estado do Paraná passa dos 90 mil casos notificados de dengue

Publicado

em

Foto: Pixabay

Na terça-feira, 26, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou o Informe Epidemiológico n.º 35/2021-2022 sobre a situação da dengue em todo o Paraná. Segundo os dados técnicos, neste boletim, o litoral paranaense contabilizou 121 novos casos de Dengue, doença causada pelo mosquito Aedes aegypti. A análise abrange o período entre o dia 19 a 26 de abril.

Desde o início do ciclo foram confirmados 30.010 casos e cinco mortes por Dengue no Paraná.

Os dados são do 35.º Informe Epidemiológico, do novo período sazonal da doença, que iniciou no dia 1.º de agosto de 2021 e deve seguir até julho de 2022.

Litoral

No informe divulgado pela Sesa, o município de Morretes não registra casos confirmados da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti, desde agosto de 2021.

Ao todo, o litoral contabiliza 327 casos, sendo Matinhos (257); Pontal do Paraná (43); Paranaguá (18); Guaratuba (6); Antonina (2) e Guaraqueçaba (1).

Segundo o documento emitido nesta semana, nenhum óbito foi registrado nos municípios da região litorânea.

O litoral do Paraná tem 259 casos em investigação da doença, sendo: Pontal do Paraná (136); Paranaguá (67); Matinhos (42); Guaratuba (8), Antonina (4) e Morretes (2).

O Informe Epidemiológico n.º 35/2021-2022 da Sesa indica que no litoral não há confirmações de febre Chikungunya e de Zika Vírus.

Paraná

A Sesa informa também que de agosto de 2021, até o momento, o Paraná contabilizou 94.344 casos notificados, com 30.010 confirmações.

São 6.849 casos a mais, um aumento cerca de 30% em relação aos números do informe anterior.

No dia 19 de abril o Estado confirmou a condição epidêmica de dengue por conta dos casos prováveis e confirmados, que estavam acima do esperado para o período epidemiológico. Diante deste cenário e do aumento dos casos, as equipes da Vigilância Ambiental da Sesa se reuniram com gestores municipais das regiões Oeste e Sudoeste para o enfrentamento do surto da doença. 

A equipe da Seção de Apoio Logística de Insumos e Equipamentos (Scali), junto com a Divisão de Doenças Transmitidas por Vetores (DVDTV) e o Núcleo de Vigilância Entomológica de Londrina estão na 6ª Regional de Saúde de União da Vitória para orientações e capacitações quanto ao uso de equipamentos costais motorizados, identificação de larvas e dos principais criadouros para orientação dos agentes de combate a endemias da região.

Dos 369 municípios que registraram notificações de dengue, 300 confirmaram a doença, sendo que 261 deles confirmaram casos autóctones no período, ou seja, a dengue foi contraída no município de residência dos pacientes. Nesta semana, não houve registro de nenhum óbito.

“Historicamente, os meses de março, abril e maio são os meses em que são registrados os maiores números de casos de dengue no Paraná. Por isso ainda temos muito trabalho a ser feito e precisamos da atenção de todos para observar o domicílio, remover os criadouros e cuidar do quintal”, enfatizou o secretário de Estado da Saúde, César Neves.

Óbitos

O boletim desta semana não registrou nenhum óbito. Cinco pessoas já morreram em decorrência da doença desde o início do período sazonal. Os óbitos foram confirmados nos municípios de Nova Esperança, Arapongas, Tapira, Matelândia e Medianeira. O primeiro deles foi divulgado no dia 15 de março.

Transmissão

As arboviroses (dengue, zika e chikungunya) são transmitidas pela picada do Aedes aegypti. É necessário ficar atento a possíveis criadouros do mosquito e, assim, eliminar esses locais de risco, para evitar a propagação das doenças. É fundamental que a pessoa identifique os sintomas das arboviroses para buscar o serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequado, o quanto antes.

Com informações da Sesa