conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Em novo boletim, Antonina confirma 225 novos casos de Dengue e um óbito

Litoral registra 1.489 confirmações neste período epidemiológico

Publicado

em

Foto: Ilustrativa / Freepik

Na quarta-feira, 14, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou o informe epidemiológico da Dengue n.º 23, que compreende o novo período sazonal da doença, que vai de julho de 2023 até agosto de 2024, de acordo com o calendário epidemiológico definido pelo Ministério da Saúde.

Conforme consta nos dados técnicos, neste boletim o litoral paranaense registrou 272 novos casos de Dengue, doença causada pelo mosquito Aedes aegypti. A região litorânea registra, então, os casos de pessoas infectadas e de casos suspeitos neste novo período de monitoramento. Além disso, o boletim estadual apresenta outras informações de notificações, casos suspeitos e óbitos da doença.

LITORAL

No informe divulgado pela Sesa, o litoral contabiliza 1.489 casos de Dengue, sendo Antonina (873); Paranaguá (481); Morretes (52); Guaratuba (39); Matinhos (26) e Pontal do Paraná (18). O município de Guaraqueçaba não confirmou novos casos neste período epidemiológico da doença.

Segundo a Sesa, Antonina é a primeira cidade do litoral com o maior número de casos confirmados de dengue, com 873 no total, sendo que neste boletim, foram mais 225 novos casos. Além disso, o município registra 1.039 notificações, 109 casos descartados, 57 casos suspeitos e um óbito.

De acordo com o boletim da Sesa, o óbito de Antonina aconteceu em 27 de janeiro, e trata-se de uma mulher, de 24 anos, sem comorbidades, que morava na cidade capelista.

Antonina é a primeira cidade do litoral com o maior número de casos confirmados de dengue, com 873 no total. Foto: Divulgação / Prefeitura de Antonina

O litoral do Paraná tem 378 casos em investigação da doença, sendo Matinhos (90); Morretes (84); Pontal do Paraná (72); Antonina (57); Guaratuba (40); Paranaguá (34) e Guaraqueçaba (1).

Em relação a Chikungunya e Zika Vírus, não há confirmações nos municípios que compõem a 1.ª Regional de Saúde.

PARANÁ

O Informe Semanal da Dengue divulgado na quarta-feira, 14, pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) registra 8.441 novos casos e mais sete óbitos pela doença no Paraná. O período sazonal 2023/2024, que teve início em julho do ano passado, soma 37.516 casos confirmados.

As sete novas mortes aconteceram em Antonina, Mariluz, Arapongas, Paranavaí, Apucarana (2) e Londrina, entre os dias 11 e 27 de janeiro. São três mulheres e quatro homens, com idades entre 24 e 75 anos. Ao todo, o Paraná soma 15 óbitos pela doença.

O 23.º Informe Epidemiológico publicado pela Vigilância Ambiental da Sesa também contabiliza 111.147 notificações, 26.397 casos em investigação e 42.397 descartados.

As Regionais de Saúde com mais casos confirmados de dengue são a 16ª RS de Apucarana (9.331), 14ª RS de Paranavaí (3.379), 17ª RS de Londrina (3.353), 22ª RS de Ivaiporã (3.246) e 10ª RS de Cascavel (3.095).

Já os municípios que apresentam mais confirmações são Apucarana (6.707), Londrina (2.718), Ivaiporã (1.841), Maringá (1.755), Paranavaí (1.583), Jandaia do Sul (1.207) e Santa Izabel do Oeste (1.117).

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, ressalta que o Estado tem se empenhado em diversas frentes para conter o avanço de casos, desde o envio de equipes especialistas aos municípios até a reativação do Comitê Estadual Intersetorial de Dengue. “No entanto, precisamos de união para vencer este combate. Muitas vezes, o foco do mosquito é encontrado em áreas domiciliares e a conscientização é indispensável para somar forças nessa luta”, avaliou.

SINTOMAS

A transmissão da dengue acontece com a picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectado com o vírus. Os sintomas podem aparecer em até 15 dias.

Normalmente, a primeira manifestação da doença é febre alta (39.°C a 40.°C) que dura de dois a sete dias, acompanhada de dor de cabeça, fraqueza, dores no corpo, nas articulações e no fundo dos olhos. Pode haver manchas que atingem a face, tronco, braços e pernas. Perda de apetite, náuseas e vômitos também podem ocorrer.

CHIKUNGUNYA E ZIKA

O boletim ainda traz dados sobre a doença Chikungunya no Estado. Atualmente, o Paraná soma 57 casos confirmados, sendo 41 autóctones (quando a doença é contraída no município de residência). Há, ainda, 190 casos em investigação e 519 notificações.

Desde o início deste período não houve confirmação de casos de zika vírus. Foram registradas 64 notificações.

Com informações da Sesa

Continuar lendo
Publicidade










Em alta

plugins premium WordPress