conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Butantan antecipa entrega de novas vacinas contra a Influenza

Imunizante é trivalente, composta pelos vírus H1N1, a cepa B e o H3N2, do subtipo Darwin, que causou surto de gripe em 2021

Publicado

em

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O Instituto Butantan anunciou que adiantou a entrega de vacinas contra a gripe Influenza para o Ministério da Saúde (MS), através do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Ao todo, dois milhões de doses já foram entregues, com aprovação feita pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Esta é a maior antecipação da história das campanhas nacionais de vacinação contra a gripe no Brasil. O imunizante entregue é trivalente, composta pelos vírus H1N1, a cepa B e o H3N2, do subtipo Darwin, que causou surtos localizados em 2021.

A entrega foi feita antes do previsto – para o mês de março – após os dados obtidos sobre as novas cepas serem enviados e aprovados pela Anvisa, sendo essa a maior antecipação da história das campanhas contra a gripe do país”, detalha o Butantan. O gerente de produção da vacina da influenza do Butantan, Douglas Gonçalves de Macedo, afirma que a antecipação da entrega foi feita devido à documentação ter sido enviada à Anvisa em 18 de fevereiro, algo que ocorreu antes do previsto, com retorno da agência feito da mesma forma com rapidez.

“Enviamos um dossiê com toda a documentação para submissão e conferência da Anvisa e tivemos o retorno deles com a aprovação, o que nos permite começar as entregas parciais”, detalha Douglas.

80 milhões de doses serão entregues até abril

Segundo o gerente de produção, o Butantan atua para realizar a entrega de 80 milhões de doses de vacinas contra a gripe até abril. “A vacina é 100% nacional, feita totalmente aqui no Butantan. Como isso, temos capacidade de fazer duas grandes entregas, 40 milhões no fim de março e os outros 40 até final de abril, mas estamos trabalhando para antecipar isso também”, completa.

O imunizante contra a Influenza produzido pelo instituto e que será distribuído à população brasileira pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é trivalente, ou seja, “é composta pelos vírus H1N1, a cepa B e o H3N2, do subtipo Darwin, que causou os surtos localizados no final do ano passado”, acrescenta.

“Como a doença é sazonal, o imunizante é modificado a cada ano, baseado nos três subtipos do vírus influenza que mais circularam no último ano no hemisfério Sul monitorados e indicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os imunizantes são atualizados e usados em campanhas de vacinação anuais – geralmente realizadas antes do inverno, quando aumentam os casos de gripe”, finaliza o Butantan.

Com informações do Instituto Butantan