Connect with us

Editorias

Adulteração de cargas: PCPR cumpre mandados de prisão e busca e apreensão em Paranaguá e Matinhos

Publicado

em

Adulteração de cargas: PCPR cumpre mandados de prisão e busca e apreensão em Paranaguá e Matinhos

PCPR mira suspeitos de adulterar cargas de soja e lesar empresas em US$ 20 milhões

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) está nas ruas, desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira (27), para cumprir 47 mandados judiciais, sendo 24 de prisão temporária e 23 de busca e apreensão, contra suspeitos de adulterar cargas de soja e lesar empresas nacionais e internacionais. Estima-se que o prejuízo seja de aproximadamente US$ 20 milhões.

Os policiais civis têm a missão de cumprir os mandados, simultaneamente, nas cidades de Paranaguá, Francisco Beltrão, Ibaiti, Nova Esperança, São Jorge do Ivaí, Cascavel e Matinhos. Além do município de Teodoro Sampaio, no estado de São Paulo.
O delegado da PCPR, que comanda as investigações, Cássio Conceição, da delegacia de Furtos e Roubos de Cargas, falou sobre a operação deflagrada na manhã desta sexta-feira, 27, acompanhe:

As investigações iniciaram há seis meses. Conforme apurado, o farelo de soja saía da fábrica com 46% de proteína. Após a adulteração, o produto chegava ao destino com somente 11%, pois era misturado com areia e casca da soja moída.

De acordo com as investigações, a adulteração era feita desde janeiro e gerou um prejuízo estimado em US$ 20 milhões. Uma das empresas lesadas tem sede na França e teve um prejuízo de aproximadamente US$ 1 milhão.

Dentre os suspeitos estão funcionários, motoristas, agentes portuários, donos de barracões e agenciadores, que recrutavam os condutores dos veículos. Além de servidores de um sindicato e de uma empresa.

Os indivíduos podem responder por adulteração de substância alimentícia, associação criminosa, corrupção ativa e estelionato. Essa é a segunda fase da operação. A primeira aconteceu em setembro deste ano e prendeu nove pessoas.

Fonte: PCPR

Leia também: Grupo acusado de criar sites de vendas falsos é alvo de ação da PCPR