Logotipo

Liquidações devem atrair consumidores para as compras em janeiro

07 de janeiro de 2020

Queima de estoque em lojas de diversos segmentos deve dar um novo fôlego ao comércio

Compartilhe

Quando o assunto é sucesso nas vendas de fim de ano, as opiniões divergem entre os comerciantes. No entanto, para os lojistas que não concluíram bem as vendas de Natal em 2019 e não alcançaram as metas estabelecidas ainda têm as liquidações de janeiro para retomar o fôlego.

Isso porque muitos consumidores deixaram de gastar em dezembro à espera das promoções de janeiro. Algumas lojas de grandes redes já fizeram os famosos saldões em todo o País e queimaram o estoque de produtos como eletrodomésticos e eletrônicos.

“É uma data bastante esperada pelo consumidor”, frisou o diretor da Câmara do Comércio Varejista, Anwar Hamud Hamud

O diretor da Câmara do Comércio Varejista da Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Paranaguá (Aciap), Anwar Hamud Hamud, afirmou que algumas liquidações “limpa estoque”, com os produtos que sobraram do Natal, já estão vigentes.

“Geralmente, essas liquidações dão um fôlego para os comerciantes, porque é uma data bastante esperada pelo consumidor. Proporciona produtos atrativos com descontos. A gente percebe que o consumidor está poupando mais, pesquisando, pedindo descontos. Tudo isso ajuda o comerciante a começar bem o ano”, declarou Anwar.

De acordo com ele, alguns segmentos tendem a aderir a essas liquidações como setores de calçados, brinquedos, vestuário, papelarias, eletroeletrônicos e eletrodomésticos. “A grande fatia dessas promoções abrange eletrônicos como TV, celulares, computadores etc.”, acredita Anwar.

Para ele, o balanço das vendas de Natal não foi tão favorável para os comerciantes em Paranaguá. “O movimento de Natal não foi muito positivo para o comércio. Tivemos um começo de dezembro muito fraco, nos dois primeiros domingos que abrimos foi de prejuízo aos comerciantes. De acordo com a convenção coletiva, os encargos que o comerciante tem que pagar para abrir aos domingos não foram superados pelas vendas efetuadas”, pontuou Anwar.

Segundo ele, era esperada uma procura mais expressiva pelas compras. “Mesmo com toda a movimentação gerada no finalzinho do mês, o comércio teve uma queda se compararmos com o ano passado. A minha empresa vendeu de 2 a 3% menos que no Natal do ano passado. Mas, temos que levar em conta diversos fatores que influenciaram para isso”, analisou Anwar, que também é comerciante.

Entre os fatores, um dos que mais influenciaram, de acordo com Anwar, foi a Black Friday, realizada por diversas lojas tradicionalmente na última sexta-feira do mês de novembro. “A Black Friday fez com que os consumidores antecipassem as compras de Natal. O que nos mostrou que o consumidor está com o dinheiro na mão, mas está gastando nas datas que têm promoções”, destacou Anwar.


Colunistas