Connect with us

Maçonaria

São João padroeiro da Maçonaria?

São João Batista, nascido pouco antes de Jesus, é considerado como o precursor do Messias, anunciando sua vinda e sua atividade redentora.

Publicado

em

São João Batista, nascido pouco antes de Jesus, é considerado como o precursor do Messias, anunciando sua vinda e sua atividade redentora. Órfão bem cedo, foi criado e educado junto aos Essênios, cujos costumes rigorosos previam a oração, o trabalho manual, a comunhão do bens, as refeições sagradas. Chegaram a quase quatro mil membros, e em seu mais famoso mosteiro, o de Qumran, foram encontrados os denominados “Manuscritos do Mar Morto”, em 1947. Organizados e diligentes, os Essênios orientavam seus adeptos dentro dos princípios religiosos e esotéricos da religião judaica, e conheciam os ensinamentos das escolas de mistério do Egito e da Pérsia. Certamente, Jesus também conviveu com os Essênios, e junto a eles aperfeiçoou suas doutrinas posteriormente divulgadas e até hoje conhecidas e aceitas.

São João Batista foi um profeta essênio e vivia conforme os preceitos de sua seita, ou seja: afastado da sociedade, concentrado nos estudos do Torá, habitando o deserto jejuando, rezando e realizando rituais de purificação.

Dessa forma, João Batista (que não era o discípulo de Cristo, mas sim seu batizador), foi o precursor de Jesus no anúncio do evangelho. Ele simboliza o iniciador (pelo batismo), o Mestre que prepara o caminho do Aprendiz. É João Batista que anuncia e prepara a “vinda da luz”.

Então percebe-se que dentre os assuntos mais controvertidos da maçonaria brasileira, encontra-se a questão do seu padroeiro ou patrono – identificado na figura de São João. Todavia, dentre os vários “Joões” existentes no panteão maçônico, a qual a Maçonaria objetivamente refere-se como protetor?

A importância dessa representação das portas solsticiais pode ser encontrada com o auxílio do simbolismo cristão, pois, para o maçom, as festas dos solstícios são, em última análise, as festas de São João Batista e de São João Evangelista. São dois São João e há, aí, uma evidente relação com o deus romano Janus e suas duas faces: o futuro e o passado, o futuro que deve ser construído à luz do passado. Sob uma visão simbólica, os dois encontram-se num momento de transição, com o fim de um grande ano cósmico e o começo de um novo, que marca o nascimento de Jesus: um anuncia a sua vinda e o outro propaga a sua palavra. Foi a semelhança entre as palavras Janus e Joannes (João, que, em hebraico é Ieho-hannam = graça de Deus) que facilitou a troca do Janus pagão pelo João cristão, com a finalidade de extirpar uma tradição “pagã”, que se chocava com o cristianismo. E foi desta maneira que os dois São João foram associados aos solstícios e presidem às festas solsticiais.

Finalizando, conclui-se que foi nomeado como Padroeiro da Maçonaria em virtude de sua vida que foi um exemplo para a humanidade, eis a razão da Maçonaria o adotar como Padroeiro.

Yassin Taha

Dep.Federal GOB