conecte-se conosco

Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá

A Virgem do Rocio

Alguns contos são fantásticos, criados pela imaginação fértil das pessoas

Publicado

em

laranjas

Alguns contos são fantásticos, criados pela imaginação fértil das pessoas. Outros são reflexos da realidade, alguns trágicos, alguns alegres, carregam constante expectativa sobre o desfecho. 

Também temos os de fundo histórico que, quando feitos com lisura, contribuem na vida das pessoas, quer quanto a fatos, quer quanto à lição moral que carregam. 

Para alguns, os “contos” podem ser maçantes e, para outros os contos os remetem a viagens indescritíveis pela imaginação.

Eram idos de 1680. 

Na costa do Rocio, da Vila de N. Sra. do Rosário de Paranaguá, viviam pescadores que viviam do que o mar lhes dava.  Uma noite em novembro, numa calmaria de verão, estavam os pescadores a lidar com suas redes, lançadas várias vezes no mar, sem pegar um único peixe.  Parecia, a estes infelizes, que Deus os abandonara. 

Desanimados e sem esperança de conseguir ao menos alimento para o sustento de suas famílias, os homens já pensavam em voltar à terra. 

Resolveram, lançar mais uma vez as suas redes, talvez guiados por alguma força sobrenatural, na parte do mar onde a lua lançava seus raios cor de prata, aonde a própria lua quase tocava o mar. Hipnotizados pelo espetáculo, lançaram-na ao mar, com a alma cheia de esperança. 

Algum tempo passou, ouvindo o marulhar das ondas, com uma sensação de paz inexplicável, puxaram a rede e, sentindo-a leve, perceberam que nada haviam pescado. 

Mas, ela trazia algo pequeno, entre as malhas, não se podia reconhecer, mas que aberta a rede na canoa, era uma pequena imagem da Virgem do Rosário. Atônitos, não sabiam o que fazer.  

Um dos pescadores, o mais velho, tomou como bom presságio, era a “Nossa Senhora” que vinha em seu auxílio. Colocaram a “imagem” no fundo da canoa e lançaram a rede ao mar, esse mesmo mar que lhes fora tão ingrato, mas dessa vez, a rede vinha carregada de peixes. A pesca seria abundante! Milagre de Maria Santíssima. A “Virgem”, que seria do “Rocío”, havia feito seu primeiro milagre. 

Trouxeram, os pescadores, a “imagem” para a terra, de modo a venerá-la e passaram a chamá-la “N. S. do Rosário do Rocío”, por ser achada na costeira do Rocio. 

Os primeiros milagres logo se fizeram e, em pouco tempo, essa fama correu de choça em choça, incentivando, o culto fervoroso daquelas almas simples que, nas suas aflições, recorriam, com ardente fé, ao patrocínio da “Senhora do Rocio”.

Hamilton Ferreira Sampaio JuniorHistoriadorSócio Correspondente do IHGP

Referência: VIANA, Manoel. Paranaguá na História e na Tradição: Paranaguá na História e na Tradição. 1. ed. [S. l.: s. n.], 1971