conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Paraná investe na redução da mortalidade materna

Mortalidade materna é um indicador de saúde, da realidade socioeconômica e da qualidade de vida da população feminina (Foto: Venilton Kuchler/ Arquivo SESA)

Publicado

em

Ministério da Saúde define como morte materna a que ocorre durante a gestação ou em 42 dias após o nascimento do bebê

O Paraná trabalha em diversas frentes para reduzir a mortalidade materna e os números já estão abaixo do nível preconizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que é de 70 mortes a cada 100 mil nascidos vivos. No ano passado, foram registradas 59 mortes e, neste ano, até agora, ocorreram 21 mortes, a cada 100 mil nascidos vivos, declaradas no Sistema de Informação de Mortalidade.

Na terça-feira, 28, foi celebrado o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e também o Dia Nacional de Luta pela Redução da Mortalidade Materna. O Ministério da Saúde define como morte materna a que ocorre durante a gestação ou em 42 dias após o nascimento do bebê, devido a qualquer causa relacionada ou agravada pela gravidez ou, ainda, por medidas em relação a ela.

Entre as principais causas estão hipertensão, hemorragia, infecções puerperais e doenças cardiovasculares.

De acordo com a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado, Maria Goretti David Lopes, a mortalidade materna é um indicador de saúde, da realidade socioeconômica e da qualidade de vida da população feminina. “O Governo do Paraná reconhece o tema como dos mais importantes na área e implementa nesta gestão um olhar ampliado para a saúde integral da mulher”, afirma.

Ela explica que as ações abrangem todas as fases de vida da mulher, da infância à idade adulta, como forma de prevenção. “O tempo na obtenção dos cuidados adequados é o fator mais importante relacionado às mortes maternas. A demora na decisão de procurar atendimento, em chegar a uma unidade de saúde e em receber os cuidados adequados implicam diretamente na morte materna”, destaca Maria Goretti.

AÇÕES

O Paraná investe na Saúde Materno Infantil, incentiva o modelo de atenção ao parto e nascimento baseado nas evidências científicas e garantia de direitos da gestante e do recém-nascido. Apoia também a ampliação da assistência ao parto e nascimento por equipe multiprofissional, executa ações que integram a Atenção Primária à Saúde (APS) e outros pontos da rede de atenção para o acompanhamento das gestantes, puérperas e mulheres em situação de risco reprodutivo.

O Estado trabalha, ainda, para organizar o Comitê de Prevenção da Mortalidade Materna e Infantil integrado ao Grupo Técnico de Vigilância do Óbito, uma vez que a morte materna é considerada como resultante da qualidade da atenção à saúde da mulher. Taxas elevadas de mortalidade materna estão associadas à insatisfatória prestação de serviços de saúde a esse grupo.

APERFEIÇOAMENTO

Uma das estratégias usadas pela Secretaria da Saúde do Paraná é a investigação do óbito materno, protocolo que levanta minuciosamente as causas da mortalidade materna e avalia a qualidade da assistência obstétrica oferecida às mães. Com as informações coletadas é possível identificar situações que podem atingir as gestantes e aplicar medidas preventivas.

A coordenadora de Vigilância Epidemiológica, a médica Acácia Nasr, explica que outra estratégia usada é o monitoramento do Near Miss, um instrumento com enfoque na segurança do paciente que proporciona a melhoria do desempenho dos serviços de saúde, com avaliação imediata da eficácia no atendimento e o aperfeiçoamento da prática clínica baseada em evidência. “Isso ajuda a reduzir os riscos de evolução para quadros graves, evitando os óbitos”, disse.

O Near Miss informa as etapas dos acontecimentos e é chamado de evento sentinela. Por meio dos dados estratégicos coletados é possível antecipar as ações para qualificar a assistência à mulher, evitando a demora.

A triagem para o Near Miss materno adotado pela Secretaria de Saúde do Paraná inclui todas as mulheres durante a gestação, parto e pós-parto, que são atendidas, notificadas e acompanhadas pela rede de saúde.

NO MUNDO

Em sua luta para reduzir a mortalidade materna, a ONU criou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma iniciativa global que convoca o mundo para a eliminação dessas mortes evitáveis entre 2016 e 2030

O terceiro objetivo preconiza “assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades”, e especialmente se refere à redução da mortalidade materna e na infância. A partir dessa definição, a proposta é reduzir, até 2030, a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 mortes por 100 mil nascidos vivos. O Brasil se comprometeu a reduzir para 30.

Fonte: AEN

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.