Logotipo

Campanha de vacinação contra poliomielite e sarampo é prorrogada

04 de setembro de 2018

Pais podem levar filhos de um a menores de cinco anos até os postos de saúde até 14 de setembro

Compartilhe

O Ministério da Saúde divulgou que a campanha de vacinação nacional contra a poliomielite e sarampo foi prorrogada até 14 de setembro de 2018. A decisão se deve ao alcance de índices insatisfatórios para a meta estipulada. A média em todo o Brasil ficou em 88%.

Apenas sete Estados da federação alcançaram o mínimo de 95% do público-alvo. O Paraná por pouco não alcança a média exigida, atingindo 91,68% das crianças de um ano a cinco anos incompletos com a dose contra poliomielite e 90,72% contra sarampo.

Até segunda-feira, 88% das crianças haviam sido vacinadas

No litoral, quatro municípios preocupam por estarem abaixo da meta: Antonina, Matinhos, Morretes e Paranaguá. Em todo o Paraná, 581.309 crianças fazem parte do público da campanha. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, contra a poliomielite, já foram aplicadas 532.948 doses (91,68%) e, contra o sarampo, foram aplicadas 527.373 (90,72%). Os pais podem levar o filho para se vacinar em qualquer unidade de saúde em Paranaguá.

A diretora da 1ª Regional de Saúde, Ilda Nagafuti, evidenciou que é fundamental a aplicação das doses durante a Campanha de Vacinação. “Quando é campanha, mesmo que esteja com a carteira de vacinação em dia, tem que tomar as doses. Ao menos, se a dose já foi tomada nos últimos 30 dias. O objetivo da campanha é colocar o vírus vacinal em circulação no ambiente para combater o vírus causador da doença”, afirmou Ilda.

Mesmo crianças que já tomaram as doses fora do período da campanha precisam tomar o reforço dessas vacinas

SITUAÇÃO NO PAÍS

Entre os Estados com menor índice está o Rio de Janeiro, Roraima, Pará, Piauí, Distrito Federal, Acre, Bahia, Rio Grande do Sul, São Paulo, Alagoas, Rio Grande do Norte e Amazonas. “Estamos dando mais uma oportunidade para que essas crianças sejam vacinadas contra a pólio e o sarampo. Vinte estados ainda não atingiram a meta da campanha. É preciso que os gestores de saúde, bem como pais e responsáveis, se conscientizem da importância da vacinação contra essas doenças. Para estarmos protegidos contra a pólio e sarampo é preciso atingir a meta de 95% nacionalmente”, convoca o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

O Brasil registrou, até o dia 28 de agosto, 1.553 casos de sarampo e outros 6.975 estão em investigação. Duas regiões enfrentam surtos da doença, o Amazonas (1.211 casos e 6.905 em investigação) e Roraima, (300 casos da doença e 70 em investigação).

Além disso, sete óbitos foram computados por sarampo no País, sendo quatro em Roraima (três em estrangeiros e um em brasileiro) e três óbitos no Amazonas (todos brasileiros, sendo dois de Manaus e um de Autazes).

Fotos: MInistério da Saúde.


Colunistas