Connect with us

Cidadania

Crianças aprendem a importância da doação de órgãos

Atividades despertam a atenção e conscientizam estudantes para a realidade social

Publicado

em

Os estudantes dos terceiros anos da Escola Municipal Hugo Pereira Correia, localizada no bairro Porto dos Padres, estão realizando várias atividades dentro da campanha “É Doando que se vive”. A campanha foi lançada em agosto e está sendo desenvolvida em 31 estabelecimentos de ensino da rede municipal.

Na aula prática, o anjo seria o doador

Trata-se de uma parceria entre a Prefeitura de Paranaguá e o Ministério Público, para se trabalhar o tema doação de órgãos por meio de peças publicitárias e material jornalístico. O objetivo é conscientizar a população sobre o assunto.

Todas as escolas têm um ponto em comum: despertar nas crianças a conscientização sobre o tema. O que difere é a forma como vem sendo aplicado entre os estabelecimentos.

Quebra cabeças do corpo humano e os orgãos

Na Escola Hugo Correia, por exemplo, as professoras Tatiane Gonçalves e Paola Frison trabalharam o tema de uma forma que despertou perguntas nos estudantes. “Nós criamos um anjo que no caso seria o doador, aquele que transforma a dor em vida. Desta forma eles entenderam melhor a mensagem. A atividade foi realizada com os alunos dos terceiros anos do período integral e gerou uma série de questionamentos”, explica a professora Paola.

As crianças usam os orgãos no jogo da memória

A aluna Athalia Mendes, de 8 anos, ficou curiosa para saber como alguém pode viver com o órgão de outra pessoa. A menina contou que aprendeu que a doação de órgãos é importante para salvar vidas.

Raiane Vitoria, também de 8 anos, fez uma pergunta que chamou a atenção das professoras. “Quem recebe o coração será que vai ter os mesmos sentimentos, gostos e emoções da pessoa que doou?”, indagou a menina.

Durante as aulas as atividades são voltadas para o tema

O aluno Nicolas Delfino gostou da atividade e contou que aprendeu bastante sobre a importância da doação. “Nós montamos um quebra-cabeça na sala com o corpo humano e os órgãos. Eu também aprendi a localizar em mim os órgãos", contou.

A estudante Georgia Santana disse que o mais legal das atividades foi aprender que podemos doar os órgãos em vida. “Não é só quando  a pessoa morre que pode doar os órgãos. Uma pessoa viva também pode doar. Por exemplo, o cabelo, o rim e o fígado”, explicou a menina.

A professora Tatiane Gonçalves destacou que o projeto é importante porque ajuda a informar até mesmo os adultos sobre o assunto. “Eu, por exemplo, não imaginava que poderíamos viver sem a medula, pois nunca tivemos informações precisas sobre essa questão. Hoje o esclarecimento está mais amplo e até as crianças sabem que todos nós podemos doar a medula”, ressaltou.

Continuar lendo