Logotipo

Parnanguaras têm acesso a óculos de grau de forma gratuita

29 de janeiro de 2019

São cerca de 30 modelos de armação diferentes. Foto: Arquivo/Prefeitura de Paranaguá

Compartilhe

Apesar de indispensável para muitas pessoas, os óculos de grau ainda se constituem em um produto bastante caro, tendo em vista que é preciso ser feita a compra da armação e das lentes, com as especificações de grau indicadas pelo médico. Por isso, parte da população sequer procura um médico oftalmologista e, quando há indicação para uso de óculos, se depara com um valor que não se encaixa em seu orçamento.

No entanto, Paranaguá oferece um atendimento importante aos pacientes oftalmológicos no Hospital João Paulo II, no bairro Parque São João, com o fornecimento gratuito de óculos para a população que necessita. A Folha do Litoral News buscou saber como ocorre esse processo, desde a consulta até a entrega dos óculos ao morador.

CONSULTAS

Por meio de nota, a Prefeitura de Paranaguá informou que o paciente que precisar de consulta oftalmológica deve primeiramente se dirigir a uma Unidade Básica de Saúde, aquela mais próxima de sua casa. “O médico avaliará o paciente e, em seguida, caso necessário, encaminhará para o oftalmologista que atende pelo município, no Centro de Diagnóstico João Paulo II ou para atendimento em Curitiba”, explicou.

A procura é alta e as consultas com oftalmologista em Paranaguá são realizadas por agendamento. “O próprio médico da unidade básica de saúde poderá encaminhar o paciente para atendimento com um profissional da área na capital do Estado”, afirmou em nota a prefeitura.

Após a consulta em Curitiba ou em Paranaguá, o paciente precisará levar ao Setor de Serviço Social, no João Paulo II, a original e cópia da receita médica do SUS, assim como o cartão SUS, a carteira de identidade, telefone para contato e comprovante de residência.

Depois de entregar a documentação, o próximo passo é a escolha da armação dos óculos. “A equipe da Secretaria Municipal de Saúde entrará em contato, informando a data que o paciente deve retornar para escolher o modelo e fazer o procedimento de medição para a confecção dos óculos, de acordo com cada paciente. São cerca de 30 modelos de armação diferentes, femininas, masculinas, unissex e infantis”, esclareceu a prefeitura.

NÃO COMPRE ÓCULOS NO MERCADO PARALELO

A falta de acesso a consultas médicas e, consequentemente, de receitas de óculos de grau, pode levar a outro problema: a compra do item de forma indiscriminada no mercado paralelo a um custo mais baixo. Tal atitude pode esconder doenças graves nos olhos e até levar à cegueira.

O alerta é do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), que lembrou que o hábito prejudica a economia do País e a saúde ocular da população, que deixa de procurar um especialista para diagnosticar a real situação dos seus olhos e prescrever, de maneira exata, o grau que necessita para uma melhor visão.

O uso indiscriminado desses óculos encontrados já prontos nas lojas (com armação e lente) oferece muitos riscos. “Acontece que o indivíduo que compra os óculos no mercado paralelo em detrimento da consulta preventiva a um especialista, pode, na verdade, estar com uma doença grave como o glaucoma, que leva à cegueira, mas que pode ser controlado, caso diagnosticado em seu início. Com o passar do tempo, inclusive de anos, quando o desconforto se agrava e ele procura o médico oftalmologista, a doença já se encontra em nível tão avançado que nada mais é possível ser feito para evitar a escuridão”, divulgou o Conselho de Oftalmologia.

O problema está na qualidade inferior deste tipo de produto e são facilmente danificados. “Já os óculos adquiridos em óticas certificadas, comprados após a realização da consulta médica completa - com exame de fundo de olho para identificar precocemente possíveis doenças e a refratometria (para descobrir o grau), é realmente mais caro por unidade. Porém, oferece a mais alta tecnologia para a sua visão, não quebra facilmente e ainda oferece ao indivíduo a garantia de um especialista, que passou por anos de estudos, sobre a sua real situação ocular”, enfatizou o CBO.


Colunistas