Logotipo

Paraná Turismo destaca potencial do litoral do Paraná

15 de fevereiro de 2019

Objetivo é colocar em prática novas ideias que possam fomentar e promover as regiões turísticas do Estado

Compartilhe

Em uma visita a Paranaguá, o novo presidente da Paraná Turismo, o empresário João Jacob Mehl visitou a Folha do Litoral News e contou sobre algumas das iniciativas previstas para esta gestão. A Paraná Turismo é uma autarquia estadual, vinculada à Secretaria de Estado do Esporte e do Turismo, que tem como foco a execução da Política Estadual de Turismo (Lei n.º 15973/2008), através da implantação de programas e projetos de incentivo, de desenvolvimento, de fomento e de promoção do turismo.

NOVA GESTÃO

O empresário também é presidente do sindicato de hotéis que abrange o litoral do Paraná e a região metropolitana. “Fui convidado para assumir o turismo porque a gente fica do lado de fora anos e anos colocando defeito, criticando e achando que o Governo não sabe fazer corretamente. Por isso, saio da iniciativa privada e entro para o turismo para tentar fazer tudo aquilo que eu achava que poderia ser diferente. Mas, com uma felicidade muito grande de encontrar um governador voltado para o turismo, este é o primeiro passo, o governador querer fazer do turismo uma fonte de receita e um negócio importante ao Estado”, disse Jacob Mehl.

Ao lado do empresário, assume como diretor de Promoção e Marketing, Aldo Carvalho, que atuou por muitos anos no Sebrae; como diretor Técnico, Rafael Andreguetto, que atuou na Adetur Litoral (Agência de Desenvolvimento do Turismo Sustentável do Litoral do Paraná) e possui experiência na área; e o assessor Paulo Roberto Alves. O trabalho da nova equipe já começou com visitas aos secretários de turismo de algumas cidades do Estado e participação em feiras. 

TV TURISMO

Segundo ele, o turismo paranaense precisa ser mais divulgado. Para isso, a TV Educativa se tornará TV Turismo, levando ao conhecimento de todos os brasileiros os atrativos do Estado. Além disso, 35% dos recursos de divulgação do Estado serão destinados, exclusivamente, ao turismo.

“São dois aportes importantíssimos para a gente poder divulgar a nossa área. O Estado ainda nos deu a permissão para participar de feiras, pois o Paraná não participava das maiores feiras nacionais e internacionais e vamos participar para divulgar, queremos que o mundo todo compre o Paraná”, pontuou Jacob Mehl.

O presidente da Paraná Turismo citou alguns locais no Estado que merecem uma atenção maior para potencializar a visitação. “Temos o Cânion Guartelá, aonde as pessoas vão e voltam aborrecidas, pois é muito bonito, mas é extremamente difícil de chegar. O Parque Estadual de Vila Velha não tem toalete, restaurante. A Ilha do Governador, Ilha das Cobras, terá um museu, um espaço para o turista. Uma marina está sendo preparada para construção em Guaratuba entre outras coisas”, afirmou.

Há o intuito, por parte da nova gestão, de integrar o Porto de Paranaguá. “O porto pode dar a oportunidade a estudantes do curso de Oceanografia, um aluno de Comércio Exterior, ou outro curso ligado a atividade portuária para dar um diploma de extensão universitária para valorizar o profissional. Além de uma visitação dirigida a estudantes, que geraria movimento nos restaurantes, nos hotéis, etc”, salientou Jacob Mehl.

PROJETOS PARA O LITORAL

Para o litoral, o presidente da Paraná Turismo acredita na integração das festas religiosas que acontecem em Guaratuba e em Paranaguá para que o turista permaneça mais tempo na região. 

O diretor Técnico, Rafael Andreguetto, destacou que Paranaguá, juntamente com Pontal do Paraná, Guaratuba e Matinhos estão enquadrados na categoria B do Ministério do Turismo.

“Existe uma hierarquização mapa do turismo brasileiro, uma classificação que vai de “A a E”. Considerada “A” estão Curitiba, por ser capital, e Foz do Iguaçu, por ser entrada do turismo internacional. No litoral do Paraná, dos sete municípios, quatro são da categoria “B”. Por isso, para o Governo do Estado é prioridade, lembrando que a Ilha do Mel está dentro deste contexto”, frisou Rafael.

Um dos focos será voltado para a questão do turismo náutico, de alto poder aquisitivo. “Hoje não há uma sinalização náutica na baía, não se sabe onde ficam os postos de abastecimento, onde há uma marina que aceite para pernoitar, essa falta de informação afasta esse tipo de turista. O objetivo é fazer com que as pessoas possam navegar mais no Paraná, pois temos muito mais possibilidades que Santa Catarina, devido a três baías, pode-se navegar até São Paulo, há uma condição de navegação e belezas únicas”, destacou Rafael.
 

Colunistas