Logotipo

Empresa Portos do Paraná faz balanço positivo da operação Cateter em Paranaguá

24 de outubro de 2019

Operação Cateter possui foco educativo voltado aos caminhoneiros, no entanto pode levar ao bloqueio do cadastro do veículo e restringir o carregamento e descarga (Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná)

Compartilhe

Medida emergencial durará inicialmente dez dias com foco no descongestionamento nas vias de acesso ao Porto

Na sexta-feira, 18, a empresa Portos do Paraná iniciou uma ação conjunta para orientar, prevenir e solucionar o problema da obstrução nas vias de acesso ao Porto de Paranaguá e aos terminais de armazenagem e movimentação de grãos e contêineres. A operação foi batizada de Operação Cateter e, neste primeiro momento, possui o foco educativo voltado aos caminhoneiros, no entanto pode levar ao bloqueio do cadastro do veículo e restringir o carregamento e descarga de produtos. Segundo a Portos do Paraná, o balanço dos quatro primeiros dias da ação é positivo e beneficia a sociedade local, bem como a eficiência logística do Porto de Paranaguá. 

“A ação visa a acabar com o estacionamento irregular nas ruas e evitar congestionamentos”, informa a assessoria da Portos do Paraná, sendo que a operação é uma medida emergencial que deve durar cerca de dez dias, podendo ser prorrogada. “É uma ação conjunta da Diretoria de Operações e da Unidade Administrativa de Segurança Portuária (Uasp), em uma tentativa de melhorar o fluxo de veículos e evitar bloqueios no tráfego”, disse o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

De acordo com o diretor-presidente, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) está sendo responsável pelas sanções cabíveis aos operadores portuários, mas as infrações de trânsito, dentro da cidade, são de responsabilidade do município e da Polícia Militar do Paraná (PMPR). “Como autoridade portuária, temos limites de atuação, mas procuramos os agentes envolvidos, incluindo as empresas, para que, juntos, possamos acabar com o estacionamento irregular de caminhões que gera problemas não apenas para a operação do porto, mas para toda a cidade”, complementa Luiz Fernando Garcia.

BALANÇO

“Resultados já são bastante otimistas. A operação já surtiu o efeito desejado no sentido de que os motoristas tomem consciência das irregularidades que estão sendo cometidas e que vão procurar outras áreas ociosas para que deixem seus veículos”, ressalta chefe da Unidade Administrativa de Segurança Portuária da Portos do Paraná, major César Kamakawa

O chefe da Unidade Administrativa de Segurança Portuária da Portos do Paraná, major César Kamakawa, afirma que o balanço da Portos do Paraná da operação Cateter é positivo. “Os resultados já são bastante otimistas. A operação já surtiu o efeito desejado no sentido de que os motoristas tomem consciência das irregularidades que estão sendo cometidas e que vão procurar outras áreas ociosas para que deixem seus veículos. O entorno da faixa portuária deve ser mantido para que outros usuários, profissionais caminhoneiros, venham e façam a sua operação de carga e descarga tranquilamente”, explica.

Segundo o major, a operação também é importante para reduzir o impacto viário dos caminhões na cidade. “A modalidade logística tem que ter uma constância na sua movimentação e funcionamento. A partir do momento em que isso é rompido iremos observar o que vem acontecendo em horários de pico: o estrangulamento no trânsito causa transtornos para os caminhoneiros e principalmente para os moradores na região. Para a empresa pública isso é um grande desgaste, ela tem que se manter sempre na vanguarda para que isso não aconteça e para que otimize o seu dia a dia e resolva essas questões”, explica. 

Outro foco é o caráter pedagógico da ação, algo que posteriormente passará para cadastro e bloqueio de veículos e caminhoneiros que desrespeitarem as normas de trânsito. “O período atual é de orientação. As informações estão sendo repassadas e, a partir do momento em que a fase de orientação se encerrar, as penalidades administrativas poderão incorrer nesse bloqueio de cadastro e, consequentemente, no seu acesso à faixa portuária, desde o corredor de exportação, como também no Terminal de Contêineres de Paranaguá”, explica Kamakawa. 

Segundo o chefe da Unidade Administrativa de Segurança Portuária da Portos do Paraná, toda operação conjunta é benéfica e fortalece a segurança pública. “Queremos que tudo isso seja otimizado da melhor maneira possível, não gerando traumas, mas para que todos tomem consciência da sua importância na participação e resolução deste conflito eventual no trânsito”, finaliza Kamakawa. 

 

Com informações da Portos do Paraná 


Colunistas