Logotipo

Caminhão-cegonha fica preso no viaduto do KM 5 da BR-277

08 de novembro de 2018

Acesso de Curitiba em direção a Paranaguá ficou bloqueado das 12h30 até às 18h

Compartilhe

No início da tarde de quinta-feira, 8, por volta das 12h30, um caminhão-cegonha ficou preso no novo viaduto do km-5 da BR-277, que está sendo construído na entrada de Paranaguá. O motorista do caminhão não utilizou o desvio para caminhões acima de 4,60 metros, o que por consequência gerou o acidente. O veículo de grande porte foi retirado do local e seguiu para o pátio de uma empresa portuária cerca de uma hora após o acidente. Não houve feridos, sendo registrados danos estruturais na obra e em três carros novos que o caminhão levava em direção a Paranaguá.

Três carros que estavam sendo transportados pelo caminhão-cegonha ficaram danificados

Com isso, os acessos para a entrada da cidade de Paranaguá pela BR-277 na altura do km 5 ficaram bloqueados até às 18h de quinta-feira. As autoridades de trânsito orientaram que os motoristas acessassem a cidade pela Avenida Bento Munhoz da Rocha Neto, diante dos transtornos gerados no novo viaduto pelo acidente. 

Inúmeras placas indicam limite de altura aos motoristas na BR-277

Segundo alguns operários que trabalham na obra, mesmo com toda a sinalização indicativa em placas fixas e eletrônicas, três veículos foram danificados e ficaram prensados na estrutura. O caminhoneiro ainda teria parado embaixo da construção e tentado dar marcha à ré para não ficar preso, o que não foi possível. Diante dos fatos, funcionários da obra e da empresa responsável pelo caminhão-cegonha, inclusive partes estruturais do novo viaduto tiveram que ser retiradas e foram recolocadas durante a tarde, o que gerou a paralisação da BR-277 sentido Paranaguá.

DER alerta caminhoneiros e motoristas para que respeitem a sinalização na via

NOVO DESVIO FEITO PELO DER-PR 

Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR), responsável pela obra, as ações no novo viaduto estão totalmente dentro das especificações legais, com indicação de trabalhos em andamento e da altura máxima de caminhões de 4,60m que podem passar embaixo da estrutura. O caminhoneiro não usou o desvio próprio para veículos de grande porte, em direção à Avenida Bento Rocha. 

Placa eletrônica indica limite de altura para passagem no viaduto

Em nota oficial, o DER pede atenção aos caminhões para o novo desvio na entrada do município, destacando ser o órgão responsável pela fiscalização da empresa contratada para construção da estrutura do viaduto. “A partir de quinta-feira, 8, a obra terá um novo desvio para caminhões que possuem altura superior a 4,60 metros de altura e para os caminhões que vão para o Pátio de Triagem ou Porto de Paranaguá”, destaca.

ESTRUTURA DO NOVO VIADUTO

De acordo com o ente estatal, o novo viaduto que está em construção terá aproximadamente 900 metros de extensão, 6 metros de altura e 7,6 de largura, e irá atender ao aumento do fluxo de veículos projetado com o crescimento da demanda do Porto de Paranaguá. “De acordo com o Plano de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto Organizado (PDZPO) do Porto de Paranaguá, receberá 80 milhões de cargas anuais em 2030 – hoje, o porto movimenta 50 milhões de cargas ao ano. A construção do viaduto, na entrada da cidade, onde atualmente a BR-277 cruza com o início da Avenida Ayrton Senna da Silva e a Rua Paranaguá, vai desafogar o trânsito e tornará o trecho muito mais seguro”, completa o DER-PR.

Operários estiveram trabalhando na recuperação da estrutura do viaduto

CONCESSIONÁRIA

A concessionária responsável pela BR-277 ressaltou em nota oficial que a estrutura que está implantada no local do incidente é provisória e serve de apoio à obra do viaduto do km 4,8 sob responsabilidade pelo DER. “A implantação dessa estrutura temporária só aconteceu após a colocação de um desvio e de toda a sinalização. A empresa ressalta que todos os motoristas que passam por trechos em obras devem ficar atento às sinalizações e possíveis desvios”, informa a empresa, destacando ainda que o acesso ao Porto de Paranaguá não sofreu nenhum prejuízo.

Trânsito ficou lento na região durante toda a tarde

Colunistas