Logotipo

Ramadã: mês de jejum sagrado dos Mulçumanos

21 de maio de 2019

Tradicional Mesquita de Paranaguá é o local onde os muçulmanos se reúnem para as orações e reuniões

Compartilhe

Começou no dia 6 de maio, o Ramadã. É o início do jejum praticado pelos muçulmanos em todo o mundo durante um mês e ocorre sempre no nono mês do calendário islâmico (lunar), chamado Ramadã.

Este é um período de intensificação da dedicação espiritual, da fé, da prática da caridade, da fraternidade, da alteridade e da adoração a Deus.

O Dr. Sheik Ibrahim El Shazli, explica o que é o Ramadã. “Em nome de Deus, o clemente e misericordioso, quero parabenizar a todos os mulçumanos e agradecer aos diretores e funcionários da Folha do Litoral News por mais esta oportunidade de estar falando desta data. O Ramadã é um mês sagrado para nós, é um mês em que Deus revelou as escrituras sagradas, e a última escritura que é o Alcorão Sagrado. Então, é um mês em que o mulçumano se aproxima o máximo que ele pode, porque é o mês do Alcorão Sagrado”, diz Shazli. “Este é o mês que Deus prescreveu para nós, um mês de jejum, mas o mês que foi revelado o Alcorão Sagrado”, destaca Dr. Sheik Ibrahim, enfatizando que é um mês de crescimento individual. “Este é o mês em que o que o mulçumano agradece a Deus todo poderoso fazendo jejum, mas é uma vitória para ele, porque é um ensinamento, já que está deixando de comer uma coisa lícita, e está deixando as coisas lícitas por Deus, aqui fica fácil para ele também deixar as coisas ilícitas por Deus, fora do Ramadã, então é uma vitória para ele”, completa.

Além do jejum alimentar durante o dia, os praticantes devem se abster, também, de relações sexuais, de maus pensamentos e de atos reprováveis. O jejum se inicia antes da claridade solar e perdura até o desparecimento desta. É um período de consolidação da fé e da superação das paixões. Durante este período são realizadas cinco rezas diariamente. Em Paranaguá, os mulçumanos se reúnem na Mesquita, para realizá-las.  

Sheik e tradutor Kassin Mohamed Charkie, Dr. Sheik Ibrahim El Shazli e o presidente da Sociedade Beneficente Árabe Muçulmana de Paranaguá, Gassan Sabra Bhay

Dr. Sheik Ibrahim El Shazli deixa uma mensagem a todos os mulçumanos e comunidade parnanguara. “A gente vive em uma comunidade acolhedora, carinhosa e receptiva, e isso faz parte do nosso jejum, de sermos assim onde a gente estiver. Aqui em Paranaguá me encontrei, pois tem as mesmas qualidades. E uma das mensagens do mês do Ramadã é que nos faz sentir o que aquela pessoa necessitada passa, o que a pessoa que não tem o que comer sente. Você tem o que comer, mas deixarmos de fazê-lo, para você sentir o mesmo que aquela pessoa que não tem o que comer. Não faz parte da fé do mulçumano estar de barriga cheia, e o seu vizinho passando fome. Para explicar seu vizinho conta-se 40 casas para cada lado. Isso faz parte da fé do mulçumano, tanto que tínhamos dias atrás uma festa a ser realizada no sábado, uma congregação na Mesquita, foi cancelada pela morte de um irmão nosso. Então o jejum é um ensinamento também para lidarmos com as pessoas, com o sentimento. Tudo isso ensina o Ramadã, não só aos mulçumanos, mas a toda a comunidade em que você vive”, externa o Sheik.

 

Pilares do Islã

São cinco pilares do Islã que sustentam a vida dos muçulmanos.

Shahada: Testemunhar que não existe outra divindade a não ser Allah (Deus) e Mohamad – que a paz e a bênção de Deus esteja sobre ele - é seu profeta.

Salah: Rezar cinco vezes ao dia voltado à Meca.

Zakat: É um direito a ser pago aos necessitados.

Saum: É o jejum durante o mês do Ramadã;

Haj: Aquele que tem condições físicas e financeiras devem fazer a peregrinação até a Meca, pelo menos uma vez na vida.

 

 

 

Colunistas