Logotipo

Dom Edmar Peron fala do verdadeiro significado da Páscoa

19 de abril de 2019

Bispo de Paranaguá explica o significado da festividade religiosa que comemora a ressurreição de Jesus.

Compartilhe

Os cristãos celebram no domingo, 21, a Páscoa em todo o mundo, data que se comemora a ressurreição de Jesus. 
O bispo diocesano de Paranaguá, dom Edmar Peron, fala do significado da festividade religiosa, após um período santo de oração, caridade e penitência. “A Páscoa não é improvisada. Ela chega após um longo caminho que nós consideramos todo período da Quaresma, iniciado na Quarta-Feira de Cinzas, justamente a quarta-feira, após o Carnaval. Este período deve ser marcado por escuta da palavra de Deus que indica caminhos concretos de preparação, ou seja, a oração pessoal, depois o empenho no jejum e na caridade. Nesse sentido, a igreja no Brasil inclui e desenvolve no aspecto da caridade a Campanha da Fraternidade, que este ano chamava atenção para a necessidade das políticas públicas que levassem em conta a vida digna para todas as pessoas. Assim, depois desse caminho, nós chegamos à Páscoa”, destaca dom Edmar, enfatizando a celebração da Páscoa. “Nós consideramos a possibilidade então de ver surgir a vida nova. Ou seja, a vida nova para pessoa é esse rompimento com o que é mal e a adesão contínua ao que é bem. Nós cristãos acreditamos que esse rompimento com o que é contrário à pessoa humana é justamente aquilo que chamamos pecado. Aquilo que é o bem é tudo que é de Deus, o seu reino, aquilo que é justo, honesto, verdadeiro, santo, então é este aspecto que vai caracterizar vida nova. Assim vida nova não é um tema abstrato, e sim uma experiência que nós realizamos”, completa. 
Dom Edmar enfatiza o porquê cremos nesta vida nova. “Cremos nessa possibilidade de vida nova justamente pela festa que celebramos neste dia, que é a festa da ressurreição de Jesus. Houve o julgamento, a condenação de Jesus, sua crucificação e sepultura, parecia que tudo tinha acabado ali no sepulcro. O Senhor, porém, ressuscitou. Então Deus irrompe a história e mostrando se aquele que defende a vida, e esta vida nova do Cristo é também vida nova para o cristão e para a sociedade”, destacou. 
Sobre ser um momento para o católico se aproximar de Deus visando ao crescimento espiritual, dom Edmar destaca que é sempre bom recordar uma palavra do Papa São João Paulo II, que diz: todo crescimento espiritual começa com a escuta da palavra. “Então, se eu digo que Quaresma e Páscoa são possibilidades de crescimento espiritual, eu preciso ligar a esta afirmação a busca continuada da palavra de Deus. A leitura, a meditação, a fim de que esta palavra possa mudar a mentalidade, tanto a minha como de cada pessoa. Podemos dizer é sim uma busca de Deus para um crescimento espiritual porque deixa que a palavra que é Dele entre na minha vida e me faça crescer. Nós nos esforçamos, mas é Deus quem faz acontecer e nós crescemos na vida espiritual”, externa o bispo, que deixa uma mensagem alusiva à data. “A Páscoa têm um aspecto de vida nova para o católico, todos os cristãos, mas também para toda a sociedade. Porque também a sociedade no seu todo necessita de renovar a esperança e eu creio que no meio de situações tão difíceis pelas quais passamos, renovar a esperança, a confiança de que o bem pode ser buscado, de que ele é maior do que o mal, de que a vida vale a pena, que lutar por ela e defendê-la, são características para todos nós. Uma esperança no bem na vida que pode acontecer na Páscoa. Para aqueles que têm fé ancorar em tal esperança na ressurreição de Jesus, na fé na ressurreição de Jesus, que é o fundamento sem a qual nossa fé perderia o sentido. O apóstolo Paulo, escrevendo aos seus, dizia justamente isto, que se Cristo não tivesse ressuscitado nossa fé não teria nenhum sentido. Então a vida de igreja também perderia toda a sua manifestação no sentido de coisas de Deus, do Reino de Deus, comunidade consagrada a Deus”, enfatiza dom Edmar que estará presidindo celebrações na Sexta-Feira Santa, 19, às 15h, Celebração da Paixão do Senhor: liturgia da Palavra, adoração da cruz e comunhão eucarística. Em seguida, procissão do Senhor morto. No Sábado, 20, 7h, Oração da Manhã, e à noite, 19h30, Vigília Pascal (Liturgia da Luz, da Palavra, da renovação das Promessas do Batismo e Eucaristia). Domingo de Páscoa, 21, às 10h – Missa da Páscoa na Ressurreição do Senhor. As  celebrações acontecem na Catedral Diocesana de Paranaguá. 
 

Colunistas