conecte-se conosco

Porto de Paranaguá - 85 anos

Governador do Paraná afirma que Porto de Paranaguá é exemplo de eficiência

Ratinho Júnior diz que recorde de movimentação, autonomia e novas obras mostram potencial

Publicado

em

Em entrevista exclusiva para a Folha do Litoral News, no dia em que são comemorados os 85 anos do Porto de Paranaguá, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Júnior, fez um balanço das ações empregadas no porto nos últimos anos. Tais esforços, segundo ele, propiciaram não só o crescimento em infraestrutura portuária, como a aplicação de investimentos que visam à melhoria da qualidade de vida dos moradores. Confira:

 

Folha do Litoral News: Qual o balanço que o senhor faz das ações do porto em 2019 e o recorde de movimentação de 53 milhões de toneladas?

Ratinho Júnior: A qualidade do corpo técnico e a excelência administrativa fizeram do Paraná o primeiro Estado do País a ter autonomia de gestão portuária. Isso significa exemplo de eficiência. Além disso, o mercado global manteve a confiança nos terminais paranaenses e no nosso agronegócio, mesmo com cenário instável no mercado internacional. Atraímos o maior investimento privado do País nessa área, de R$ 550 milhões, e passamos a ter o terminal com maior potencial para movimentação de contêineres. Também projetamos a reformulação do corredor de exportação e arrendamos um terminal para a Klabin. O recorde de movimentação, a autonomia e novas obras mostram que podemos crescer ainda mais.

 

Folha do Litoral News: Como os investimentos na Ilha do Mel e nas comunidades marítimas fortalecem a relação porto-cidade?

Ratinho Júnior: Uma das maiores preocupações do Governo do Estado é o desenvolvimento sustentável do litoral, para moradores e turistas. Temos um pacote de investimentos para essa região nos próximos anos, em todas as cidades e uma das iniciativas mais urgentes é a dos trapiches. Serão 14, alguns construídos já em 2020. A ideia é que o porto olhe para o mar, para os negócios e também para a terra, a população litorânea. A Portos do Paraná também executa obras em avenidas importantes de Paranaguá e mantém mais de 20 programas ambientais permanentes, além de uma diretoria exclusiva para ações de monitoramento, conservação e educação ambiental. Em 2019, o reconhecimento destas ações estruturantes fez com que os portos paranaenses representassem o Brasil na COP-25, organizado pela ONU, em Madri, na Espanha.

 

Folha do Litoral News: Como foi a apresentação da infraestrutura do Paraná para empresários norte-americanos? De que forma isso pode refletir no Porto de Paranaguá?

Ratinho Júnior: Apresentamos oportunidades e vantagens competitivas do nosso Estado para empresários e investidores, nos mesmos moldes das conferências que realizamos globalmente no ano passado com o Paraná Day. Temos localização estratégica, infraestrutura, mão de obra qualificada e bons indicadores sociais. O Porto de Paranaguá é referência mundial em gestão, o que é reconhecido pelos usuários. Essa política de cooperação com a iniciativa privada nos torna mais fortes, porque geramos mais empregos, mais receita, mais oportunidades. Estamos trabalhando para transformar o Paraná em um hub logístico da América do Sul com o novo Anel de Integração, mais ferrovias e conexões aéreas, e o Porto de Paranaguá terá um papel decisivo nessa cadeia. O porto é a porta de entrada dos insumos que vêm de fora e a porta de saída de toda a transformação industrial e do agronegócio. Nossos indicadores cresceram em 2019 (indústria, comércio, geração de emprego e exportações) e queremos avançar mais.

 

Folha do Litoral News: Qual o planejamento do Estado para a continuidade do processo de dragagem no Porto de Paranaguá?

Ratinho Júnior: Um porto não sobrevive sem dragagens. A segurança e as operações dependem da capacidade de receber navios de grande porte. Com o tempo é natural que sedimentos e areia se acumulem no fundo do mar, o que diminui a profundidade. Os Portos do Paraná contam com um programa de dragagem continuada e novas obras previstas para os próximos anos. Os investimentos somam R$ 403 milhões e incluem a dragagem nos berços, canais de acesso e bacia de evolução. O volume total de sedimentos retirados, nos dois portos, será de quase 22 milhões de metros cúbicos.

 

Folha do Litoral News: Qual a expectativa para o arrendamento de novas áreas no Porto de Paranaguá, algo que foi viabilizado com a delegação de competência alcançada em 2019?

Ratinho Júnior: A autonomia que alcançamos nos permite atuar de forma efetiva no crescimento das operações portuárias. Temos seis áreas para arrendamento, com investimentos que devem ultrapassar R$ 1,3 bilhão. Encerramos 2019 com estudos para que o processo licitatório de duas dessas áreas possam acontecer logo no primeiro semestre de 2020. Estão na lista o PAR 12 (veículos) e PAR 32 (açúcar ensacado).

 

Folha do Litoral News: Qual sua mensagem para os trabalhadores do Porto de Paranaguá?

Ratinho Júnior: A mensagem é de agradecimento e de reconhecimento a todos que tornaram o Porto de Paranaguá uma referência. Cada pessoa que trabalhou nestes 85 anos de vida do terminal ajudou a construir uma história fantástica. A qualidade do corpo técnico dos portos paranaenses é reconhecida por exportadores, importadores e investidores de todo o mundo. Graças ao esforço conjunto, Paranaguá é um dos lugares mais importantes da América Latina. O Paraná não seria uma potência agrícola, industrial e econômica sem a força do Porto de Paranaguá.

Foto: Rodrigo Felix Leal ANPr

Continuar lendo
Publicidade

Em alta