conecte-se conosco

Polícia

Policiais salvam vida de bebê de seis meses em Pontal do Paraná

Ação rápida da PM com manobras de desobstrução das vias aéreas salvou vida da criança. Foto: Ilustrativa / AEN

Publicado

em

No domingo, 22, por volta das 22h, uma equipe da Polícia Militar do Paraná (PMPR), pertencente ao 9.º Batalhão (9.º BPM) e ao 6.º Comando Regional (6.º CRPM) foi acionada via 190 para atender um pedido de socorro feito por um pai cujo bebê, com seis meses de idade, havia engolido de forma acidental um objeto esférico, o que fez a criança se engasgar e não conseguir respirar. Imediatamente uma equipe foi à casa da família, localizada no Balneário Carmery, em Pontal do Paraná, e conseguiu salvar a criança com a realização de manobras de desobstrução das vias aéreas por um dos policiais ainda na viatura em deslocamento até o Pronto Socorro (PS) do município.

"Ainda ao telefone, o solicitante informou que a criança estava com coloração arroxeada por falta de oxigenação. De imediato, os militares se deslocaram ao endereço, localizado na Rua João Caxias no balneário Carmery. Uma equipe do SAMU também foi acionada. Já no local, os policiais foram recebidos pelos pais do bebê. Eles estavam em situação de pânico e praticamente, por desespero, jogaram a criança no colo de um dos policiais. Os PMs executaram as primeiras manobras para a desobstrução das vias aéreas do menino, mas devido à complexidade do caso, e pela demora do SAMU, decidiram embarcar o pai e o bebê na viatura policial militar e deslocaram, apressadamente, para o Pronto Socorro do Balneário Shangri-lá", explica a assessoria do 9.º BPM.

Segundo a assessoria, no caminho, com a criança no colo, um dos policiais, que persistia na manobra de Heimlich, conseguiu desobstruir as vias aéreas da criança, fazendo-lhe expelir o objeto no banco da viatura. "Graças ao procedimento, o bebê começou a chorar e voltou a respirar normalmente. Chegando ao PS, a equipe entregou a criança aos cuidados do médico de plantão, que realizou exames complementares para determinar se o bebê, de fato, já estava bem", finaliza a assessoria da PMPR.

Continuar lendo
Publicidade