Logotipo

PMPR e Polícia Civil prendem envolvidos no assalto a posto em Guaratuba

10 de feveiro de 2018

Suspeitos foram abordados quando chegavam em Araucária

Compartilhe

Menos de 24 horas após a tentativa de roubo a um posto de combustíveis em Guaratuba, que resultou em uma policial militar ferida ao intervir e impedir o crime, as equipes de inteligência da Polícia Militar, atuantes no Verão Paraná 2017/2018, com apoio da Polícia Civil, localizaram dois rapazes que tinham fugido no dia do crime. Eles foram abordados quando chegavam em Araucária, Região Metropolitana de Curitiba, na tarde de sexta-feira, 9. 

Logo após a tentativa de roubo na noite de quarta-feira, 7, os policiais militares buscaram informações que pudessem auxiliar na localização dos dois fugitivos. De acordo com o comandante da Subárea de Guaratuba, capitão Pablo Rodriguez, foi feita uma ampla coleta de dados e estudos. “O proprietário do posto prontamente atendeu as equipes e cedeu as imagens do sistema de câmeras, bem como a comunidade que nos passou informações de toda a ordem, possibilitando que a PM trabalhasse com uma base de informações concretas”, afirmou.

Com o apoio da Polícia Civil de Guaratuba, descobriu-se que os suspeitos estariam num GM Cobalt, de cor branca, e estariam se deslocando para o município de Araucária. As equipes do 12.º Batalhão, do 17.º Batalhão e do 9.º Batalhão de Polícia Militar reforçaram o policiamento na cidade e, por volta de 15 horas, a dupla foi abordada na Avenida das Araucárias. 

“No momento da prisão não houve reação por parte dos suspeitos porque empregamos os recursos de inteligência e contamos com o apoio de outras instituições para que o trabalho fosse organizado”, disse o capitão Rodriguez.

A dupla foi levada à Delegacia de Polícia de Guaratuba para agilizar os procedimentos de polícia judiciária. “Os autores, em princípio, ainda não se manifestaram a respeito do que os motivou e quais foram as circunstâncias e demais detalhes sobre o ocorrido, mas isso será exaustivamente investigado pela Polícia Civil até que tenhamos todos os elementos que serão levados ao Ministério Público e ao Poder Judiciário para responsabilizar as pessoas pelos seus atos”, disse o delegado Ivo Dyniewecz Júnior.

Colunistas