conecte-se conosco

Polícia

Litoral registra dois feminicídios em menos de 48 horas

Duas mulheres foram brutalmente assassinadas pelos companheiros.

Publicado

em

O litoral do Paraná registrou nos últimos dias dois casos que chocaram a comunidade. Duas mulheres foram brutalmente assassinadas pelos companheiros, crimes que alarmaram a população.

PONTAL DO PARANÁ

Osmar Almeida, de 44 anos, foi preso em flagrante pela Polícia Militar acusado de matar a companheira, Selma Silva Santos, de 53 anos, na casa onde moravam, na Rua Dona Alba Souza e Silva, no balneário Leblon, em Pontal do Paraná, no começo da tarde de terça-feira, 31. O crime aconteceu após uma discussão. A arma usada (um cutelo) foi apreendida.

De acordo com a corporação, o irmão do agressor ligou para a PM pedindo ajuda, pois o homem tinha discutido com a companheira e desferido golpes de faca em sua cabeça. A vítima ficou caída no chão da sala.

Rapidamente uma viatura chegou ao endereço indicado e acionou o Siate para prestar atendimento à vítima que não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Ainda de acordo com a polícia, Osmar teria confessado o crime. Ele recebeu voz de prisão e foi encaminhado para a Delegacia de Ipanema.

IML

Depois da perícia, realizada pela Criminalística, o corpo de Selma Silva Santos foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Paranaguá, onde passou por exames complementares e foi liberado por familiares.

MATINHOS

Francisca dos Santos, de 66 anos, foi internada na terça-feira, 31, com queimaduras graves em mais de 90% do corpo, no Hospital Regional do Litoral.

A vítima, que morava no balneário Praia Grande, em Matinhos, teria ido na casa do namorado, onde o crime aconteceu.

José dos Santos Capato, conhecido como "Zé", de 65 anos, jogou gasolina no corpo da vítima e ateou fogo.

Socorrida por populares, a idosa foi encaminhada para uma unidade de saúde no balneário e, logo em seguida, para o Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá, onde morreu horas depois.

PRISÃO

José dos Santos Capato foi preso por policiais militares em uma casa no balneário de Saint Etienne, quando se preparava para deixar o local.

Uma denúncia anônima levou as equipes até o endereço onde o homem estava escondido.

Logo após o crime, a Polícia Civil iniciou as investigações e pediu a prisão  do principal suspeito. O mandado foi expedido e cumprido dentro da delegacia.

“Nós já o interrogamos. A situação chegou aqui a nosso conhecimento e, imediatamente, demos início ao inquérito policial e às diligências para ouvir todas as testemunhas. Ele foi conduzido para a delegacia ontem, quando nós já estávamos com o mandado de prisão deferido pela Justiça; ele confessou com a maior tranquilidade o crime”, conta a delegada Sandra Nepomuceno, responsável pelas investigações do caso.

A delegada afirmou que já foram ouvidas três testemunhas e ainda faltam quatro. “Esse casal estava junto há pouco tempo, quatro ou cinco meses. Os familiares, em depoimento, relatam realmente que havia muita discussão do casal, mas ainda não havia nenhuma situação formalizada na delegacia”.

Durante coletiva com a imprensa, realizada na quinta-feira, 2, a delegada também deu detalhes de como ele teria praticado o crime. “A situação foi bastante cruel. Ele é bastante frio, não mostra arrependimento e, segundo ele, ouviu falar que ela teria um possível amante em Paranaguá. Ele tem combustível em casa, pois faz serviços autônomos de cortar grama e usava combustível para abastecer esse maquinário. Ela estava sentada no sofá,  ele chegou, já pegou o produto que tinha em casa, imediatamente jogou nela e ateou fogo”, descreveu a delegada Sandra.

O suspeito que já tinha passagens por violência doméstica. Agora vai responder pelo crime de feminicídio e está à disposição da Justiça.

Ainda de acordo com a delegada da PCPR, a participação dos filhos de José dos Santos Capato no crime não foi confirmada. Ela espera ouvir mais quatro testemunhas para concluir o inquérito policial. 

Com informações e fotos da assessoria de comunicação da PMPR e PCPR

Continuar lendo
Publicidade