Connect with us

Polícia

Análise inicial do IML confirma que mãe asfixiou bebê

O Nucria de Paranaguá aguarda o resultado de mais exames para concluir o caso

Publicado

em

Uma mulher, de 19 anos, foi presa em flagrante em Paranaguá, na noite de 9 de agosto deste ano, após a suspeita de asfixiar o seu filho de quatro meses, que veio a óbito. Desde então, o caso é investigado pelo Nucria (Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes) no município e também pelo Instituto Médico Legal (IML), que realiza os exames para constatar o que de fato causou a morte da criança.

A análise inicial já foi concluída e reforça a tese de que a mãe asfixiou o bebê, cobrindo a boca da criança com as mãos na tentativa de fazer com que parasse de chorar. Após o fato, a mãe passou a ser investigada também pela morte de outros dois filhos, um no ano passado e outro há, aproximadamente, quatro anos.

A delegada do Nucria, Maria Nysa Moreira Nanni, explicou que o laudo necroscópico já foi finalizado, mas ainda faltam outros exames complementares 

A delegada do Nucria, Maria Nysa Moreira Nanni, explicou que o laudo necroscópico já foi finalizado, mas ainda faltam outros exames complementares. “Os laudos que foram solicitados são feitos em Curitiba e são exames laboratoriais. O necroscópico já foi feito pelo IML e o perito está aguardando os resultados dos outros laudos para saber se havia algum outro tipo de doença pré-existente, síndrome ou infecção, por exemplo, que tenha colaborado para a morte da criança. Por isso que o laudo necroscópico só é concluído com base nos outros laudos”, contou a delegada.

A análise inicial do IML, somente com o laudo apresentado até o momento, mostra o que já era esperado pelas autoridades policiais.

“A conclusão que temos é aquilo que já estava evidente no hospital, que houve uma asfixia. Aliás, a criança chegou bem roxinha para fazer os exames. A asfixia que a gente percebe ao olhar é mecânica, mas como havia dúvida de haver alguma outra causa foram feitos os outros exames, para fazer uma pesquisa bem profunda sobre o ocorrido”, salientou a delegada.

Segundo o Nucria, a mãe não confessou o crime em si, mas descreve os atos que foram praticados contra a criança. “Ela não confessa como sendo crime, apenas que colocou a mão na boca do bebê para que ele parasse de chorar e, quando ele parou, ela tirou a mão. Ela descreve os atos, mas não considera aquilo grave”, contou a delegada.

Uma análise também ajudará a entender o comportamento da mulher, já que são crimes incomuns. “São casos muito raros esses em que a mãe é predadora dos próprios filhos, por isso é preciso fazer uma abordagem mais profunda para termos literatura jurídica e psiquiátrica com relação a isso”, esclareceu Maria Nysa.

DOIS PROCESSOS

Outro inquérito policial foi aberto para investigar a morte de outros dois filhos da mulher. “O caso anterior já estava sendo analisado pelo Nucria. A mãe relatou que o bebê havia caído da cama, a questão é que a criança não tinha nenhum tipo de lesão, pelo contrário, dava para perceber que estava bem cuidada. O que provocou a morte desse bebê anterior foi que ele não conseguiu respirar porque estava com leite na traqueia. O primeiro caso nem chegou ao nosso conhecimento, somente agora com o terceiro caso”, explicou a delegada.

Desta forma, dois processos estão em andamento para concluir os inquéritos policiais.

“Houve a prisão em flagrante e também a manutenção da prisão. Temos dois processos, um do flagrante e o outro das duas mortes, foi desmembrado porque não podemos fazer os dois juntos. Mas, o mesmo material com o resultado dos exames será usado para análise nos dois processos”, relatou a delegada.

COMO DENUNCIAR MAUS-TRATOS A CRIANÇAS?

As denúncias de casos de maus-tratos e negligência a crianças e adolescentes podem ser feitas aos Conselhos Tutelares, às Polícias Civil e Militar e ao Ministério Público, podendo ser noticiadas também aos serviços de disque-denúncia (Disque 100, nacional; Disque 181, estadual; e Disque 156, municipal).

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.