Logotipo

Pele e pelagem dos pets precisam de cuidados especiais no verão

24 de janeiro de 2019

Sol, calor e hábitos da estação podem causar sérios problemas à saúde de cães e gatos

Compartilhe

Considerados como membros da família, cada vez mais cães e gatos participam da rotina, compromissos e viagens de seus tutores. No verão, isso inclui mais passeios ao ar livre, maior exposição ao sol e, até mesmo, banhos de piscina. Diversão a mais também exige cuidados extras com a saúde, principalmente com a pele e a pelagem.

ECTOPARASITAS

Pulgas e carrapatos são alguns dos principais problemas que acometem cães e gatos mas, neste período, o calor intenso aumenta a incidência desses ectoparasitas que podem atingir os animais durante os passeios nos parques ou mesmo dentro de casa, pois podem ser trazidos das ruas em roupas e calçados. Carrapatos podem causar doenças graves como anemia, babesiose e erliquiose, sendo que as duas últimas podem ser fatais. Já as pulgas transmitem vermes e sua saliva pode causar dermatite alérgica por picada, provocando coceira intensa e até perda de pelo nos animais.

Existem no mercado diversos produtos para controle de pulgas e carrapatos, com apresentações e prazos de reaplicação variados. Segundo o médico veterinário Adolfo Sasaki, o produto deve ser escolhido conforme facilidade de administração e rotina do animal. Para pets que tomam banhos com maior frequência, o uso de comprimidos ou coleiras são mais indicados. Já quem opta por produtos de uso tópico deve aplicar de dois a três dias antes ou após o banho, pois eles necessitam da oleosidade da pele para se espalhar. “Em geral, a durabilidade da ação dos produtos é de 30 dias, mas para animais infestados, alérgicos a picadas ou com maior exposição externa, é recomendado que a aplicação seja realizada a cada 21 dias”, alerta o veterinário. “Vale lembrar que quem possui mais de um animal em casa deve tratar todos ao mesmo tempo e, no caso de infestações, é necessário utilizar produtos para controle ambiental, respeitando as indicações das embalagens quanto à diluição e prazo para recolocar o animal no ambiente”, completa.

Otites e doenças de pele

Os banhos de piscina, chuva ou mangueira, que ajudam a refrescar os cães, também facilitam a entrada de água nos condutos auditivos e podem causar infecções. Além de tentar evitar o contato da água com os ouvidos, também é recomendado limpar o local com produtos adequados e, ao menor sinal de alteração, levar o animal ao veterinário.

Também é importante que a pelagem do animal seja seca adequadamente, uma vez que a umidade cria um ambiente favorável para a proliferação de enfermidades fúngicas como a malasseziose, uma dermatopatia que causa oleosidade, prurido e mau odor, e dermatofitose, uma zoonose que causa lesões generalizadas na pele.

TOSA

Para reduzir problemas relacionados à umidade, uma dica do médico veterinário é manter a tosa mais baixa, já que ela facilita a penetração do shampoo durante o banho e agiliza a secagem dos pelos. Mas atenção: a tosa não deve ser feita com lâminas muito baixas pois os pelos também funcionam como protetores térmicos. Ao contrário do que se imagina, a pelagem não funciona como as roupas para os humanos. Cães e gatos transpiram somente pelas almofadas das patas e expulsam o calor do corpo pela língua. Ou seja, os pelos na altura adequada ajudam a proteger a pele da exposição solar e equilibram o calor.

É preciso estar atento às particularidades da raça e de cada animal, além de realizar o serviço com profissionais aptos a indicar a melhor solução. Pets que têm alergia à lâmina, por exemplo, devem ser tosados com tesoura. Cães de pelagem densa, como Chow Chow e Samoieda, quando submetidos à tosa total ou tosa com lâmina, podem ser acometidos de uma dermatopatia chamada de alopecia pós-tosa, que leva ao não crescimento ou ao retorno demorado da pelagem. Cachorros de pelos curtos não devem ter o corpo tosado. Já raças como Schnauzer e Westie podem se beneficiar de um tipo de tosa específica - a hand-stripping, feita com faca de stripping dupla. A conhecida “tosa baby”, que deixa os cães com aspecto de filhotes, fica bem em raças como Lhasa Apso, Shih Tzu e Yorkshire Terrier e, para o Spitz Alemão, recomenda-se a chamada “tosa ursinho”.

Segundo o groomer do Hiper Zoo, Fernando Arcanjo, gatos de pelos curtos não devem ser tosados e, para os de pelos longos, pode ser recomendada tosa na tesoura somente para retirada de pelos despontados. Uma dica para melhorar o bem-estar dos animais é realizar a remoção de pelos mortos, o que ajuda a reduzir a quantidade de pelos ingeridos pelos gatos e evita que a pelagem dos pets embole. A tosa higiênica na região das patas e região íntima é fundamental para a saúde e bem-estar e, para ajudar o animal a se refrescar, o indicado é ampliar a região de tosa para o abdômen. “Tratamentos que promovem a nutrição e hidratação da pelagem e uso de xampus e condicionadores cosméticos colaboram bastante com a saúde da pele e pelos”, ressalta o groomer.

QUEIMADURAS

Os pelos ajudam a proteger os animais de queimaduras na pele, no entanto também é recomendado o uso de protetor solar, com fator de proteção solar acima de 50, em focinhos, pontas de orelhas e regiões da pele sem pelo, preferencialmente próprio para animais. Quando não houver disponibilidade, protetor solar de uso humano em aerossol minimizam os riscos de ingestão do produto.

Passeios não devem ser feitos entre 10 e 17 horas sob risco de causar hipertermia ou queimadura nas almofadas das patas.  Antes de passear, o tutor deve colocar as palmas das mãos no chão para verificar a temperatura e, ainda assim, deve dar preferência a locais com mais sombras e gramados. Animais com pelagem branca, focinho rosado, mucosas sem pigmentação, região ventral totalmente sem pigmentação ou com doenças de pele, como lúpus e pênfigo, por exemplo, devem evitar a exposição ao sol.

Queimaduras solares podem causar câncer de pele como o carcinoma de células escamosas, hemangioma e hemangiossarcoma. Segundo o veterinário, sinais como eritema (vermelhidão), descamação sanguinolenta, aumento de volume de determinada área, nódulos, presença de bolhas de sangue e lesão em região auricular em gatos podem ser indício da doença e o tutor deve procurar um médico imediatamente.

PICADA DE INSETOS

Outro ponto negativo do verão são as picadas de insetos, que tendem a ocorrer nas regiões sem pelos e também na face, pois o odor do cerume dos ouvidos atrai os insetos. Os sinais clínicos de uma picada por inseto podem ser desde uma simples irritação local acompanhada de coceira, passando por edema palpebral ou facial, podendo causar, até mesmo, edema de glote (reação alérgica conhecida popularmente como “garganta fechada”) sob risco de levar o animal a óbito. Em gatos, as picadas de inseto podem formar quadros chamados de placa eosinofílica, caracterizada pela presença de placas extensas erosivas e avermelhadas na pele.

Além disso, os mosquitos também são transmissores de duas doenças graves: a dirofilariose e a leishmaniose. Também conhecida como verme do coração, a dirofilariose é uma doença causada por uma larva que se desenvolve no coração dos animais e causa obstrução nos vasos sanguíneos, sobrecarregando o órgão, debilitando o animal e podendo levar à morte. A leishmaniose visceral canina é uma zoonose infectocontagiosa transmitida exclusivamente pelo mosquito flebótomo, também conhecido como “mosquito palha” ou “birigui”. As medidas preventivas são repelentes, medicamentos e vacinas, que devem ser aplicados com antecedência no animal. “Vários casos de leishmaniose e dirofilariose foram diagnosticados no Paraná recentemente. Por isso, é fundamental que os tutores tomem medidas preventivas”, alerta o veterinário. Felizmente, cães e gatos não são hospedeiros do temido vírus da febre amarela e também não contraem dengue, zika ou chikungunya.

 

 


Colunistas