Logotipo

IHGP, um guardião da história e cultura de Paranaguá

28 de julho de 2018

O Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá (IHGP) se mantém, através do tempo, como um dos guardiões da cultura, história e geografia de Paranaguá e do Estado do Paraná, sendo uma fonte de pesquisa não só para os paranaenses, mas para acadêmicos e professores de vários locais do País. 

O sodalício possui em seu acervo livros, jornais, porcelanas, armas, moedas, instrumentos de trabalho e peças de mobiliário dos séculos XVII e XVIII, itens que representam diferentes momentos da história.

Da coleção, destacam-se a imagem de Nossa Senhora das Vitórias e o canhão corsário francês, que naufragou na ponta da Ilha da Cotinga em 1718, encontrado em 1963, por membros da Sociedade Geográfica Brasileira. 

A presidente do IHGP, Guadalupe Vivekananda Fabri, destaca o pioneirismo dos fundadores e sua visão do futuro. “O instituto foi criado em 26 de setembro de 1931, tendo como fundadores Zenon Pereira Leite, Antero Régis, Vicente Nascimento Junior, dentre outros, que contribuíram para que hoje tivéssemos este acervo que possuímos. Podemos dizer que temos de importante uma biblioteca com mais de dois mil exemplares, e alguns já digitalizados e servindo para pesquisa, sendo um acervo incomensurável. Hoje em dia, as pessoas não valorizam tanto os livros, no entanto eles têm uma importância ímpar e retratam toda a nossa história”, disse Guadalupe, destacando alguns itens do acervo. 

“Dentre o nosso acervo temos o livro memórias de Paranaguá, escrito por Antônio Vieira dos Santos, que possui toda a passagem da história de Paranaguá bem detalhada. Também temos obras que foram escritas pelos próprios membros do IHGP, como por exemplo: Dr. Anibal Ribeiro, Vicente Nascimento Junior, Manoel Viana, que possuem histórias interessantíssimas. Dentre outras obras importantes, as quais são procuradas por historiadores, pesquisadores, estudantes e acadêmicos para suas pesquisas”, completa. 

O IHGP também possui um acervo digital que está sob a guarda do Museu da Imagem e do Som (MIS). 
São pesquisadores em busca de informações para pós-graduação, mestrado, doutorado, que buscam no instituto a resposta para tudo o que eles procuram. 

“Nós já possuímos diversas obras gravadas e vários momentos de Paranaguá já estão todos gravados. Também temos um museu com materiais doados por profissionais liberais e empresas, com utensílios domésticos e instrumentos de trabalho que marcaram época em nossa cidade. Acervo de lojas e muitas coisas doadas pela comunidade árabe de Paranaguá, tudo muito bem guardado, e sendo mais uma atração do IHGP. Existem peças que muitos jovens desconhecem e quando visitam o nosso museu saem encantados”, completa. 

O legado que o IHGP deixa para a cidade de Paranaguá é a preservação da memória de sua história e cultura. “Muitas obras que existem no IHGP são únicas, sendo um difusor de conhecimento, na minha opinião. Ali muitas histórias e documentos importantes de Paranaguá estão preservados. Isto tem um reflexo maior quando recebemos pessoas de fora, pois ficam perplexas com a quantidade de informação da cidade e podemos dizer da criação do Estado”, enfatiza Guadalupe. 

“Na minha visão, o IHGP é uma instituição de um valor inestimável para a cidade e, consequentemente, para o Paraná. As pessoas não têm ideia da história que se encontra no acervo que temos. Então, realmente o IHGP é um guardião da história de Paranaguá e do Paraná. Desenvolvemos um trabalho de amor, de carinho por Paranaguá e também com pessoas muito competentes que têm contribuído muito para a grandeza do instituto continuar a prestar esse serviço gratuito a Paranaguá e ao Paraná”, destaca a presidente. 

Compartilhe