Connect with us

Paraná Produtivo

São toneladas!

A Secretaria de Agricultura indica melhora na safra 2019/2020 no Paraná, com o avanço da colheita da soja, do milho e do feijão.

Publicado

em

A Secretaria de Agricultura indica melhora na safra 2019/2020 no Paraná, com o avanço da colheita da soja, do milho e do feijão. A produção de soja deve passar de 19,7 milhões de toneladas para 20,4 milhões, duas sacas a mais por hectare. Já a produção do milho cresceu de 3,2 milhões de toneladas para 3,3 milhões, o que leva a estimativa total da safra de primavera-verão no Paraná para 24,1 milhões de toneladas numa área de 6 milhões de hectares, produção 22% maior do que o volume colhido no ano passado.

Soja em alta

O levantamento de fevereiro mostra uma produção bem encaminhada e bons preços para a soja. Apesar do atraso no início do plantio, o clima tem colaborado para um melhor desempenho na produtividade, acima da média estimada. A expectativa de produção é 20,4 milhões de toneladas, valor que, se confirmado, representará maior produção da história. Até agora, o melhor resultado do Paraná aconteceu na safra 2016/2017, quando foram colhidas 19,9 milhões de toneladas. A produtividade obtida até agora é de 3.819 kg/ha. A soja paranaense tem 22% da área de 5,5 milhões de hectares colhida, índice um pouco menor do que a média das últimas três safras, que somavam colheita de 27%.

Feijão de primeira

A colheita da primeira safra de feijão termina nesta semana. Até o momento, a estimativa da área reduziu 6% em relação à safra 18/19, mas a produção é 29% superior, com acréscimo de 72 mil toneladas. A produtividade, de 2.096 kg/ha, é a maior dos últimos 13 anos na primeira safra, impulsionada principalmente pelos núcleos regionais de Curitiba, Pato Branco e Ponta Grossa.  O feijão da segunda safra tem 72% da área de 223,3 mil hectares plantada. No mesmo período do ano passado, o índice era de 81%. Com relação ao mês passado, a área reduziu de 232 mil hectares para 223,3 mil hectares, provavelmente em função do aumento de área do milho. Na comparação com a safra 18/19, esse número é 10% menor, mas a produção deve ser 23% maior, passando de 360,3 mil toneladas para 441,7 mil toneladas.


 

Recorde de contêineres

A movimentação de contêineres pelo Porto de Paranaguá aumentou 29% em janeiro deste ano, na comparação com o primeiro mês de 2019. De acordo com a empresa do terminal de contêineres de Paranaguá, os 84.601 TEUs (unidade de medida equivalente a 20 pés) movimentados em 31 dias é um recorde histórico. Além da marca alcançada, também chama a atenção a diversidade das cargas movimentadas nos contentores. Nas exportações, o produto mais movimentado pelo Porto de Paranaguá em contêineres é a carne de frango congelada. Em janeiro deste ano o volume somou 134.142 toneladas exportadas do produto, 11% a mais que o registrado em janeiro de 2019 – 120.733 toneladas.

Piscicultura de cultivo

O Paraná teve um crescimento superior à média nacional na produção de pescados de cultivo em 2019 e consolidou ainda mais a liderança nesse setor. Enquanto no Brasil o aumento foi de 4,9%, o do Paraná alcançou 18,7%, com 154.200 toneladas produzidas, diz a Associação Brasileira de Piscicultura. Em 2018, o Estado já liderava a produção, com 129.900 toneladas. A segunda colocação é de São Paulo, que teve um decréscimo de 4,6%, caindo de 73.200 toneladas para 69.800 toneladas. Em terceiro lugar aparece Rondônia, que reduziu em 5,5% a produção, baixando de 72.800 para 68.800 toneladas.

Queda na confiança

Em fevereiro, a pesquisa mensal da CNI, que avalia a confiança do empresário na economia, reverteu uma tendência de crescimento que vinha sendo confirmada há seis meses. O índice de confiança chegou a 68,4 pontos. Praticamente estável, apenas 0,5 ponto abaixo do resultado de janeiro, porém, encerra um ciclo de crescimento que perdurava desde julho do ano passado. O indicador avalia a economia e as empresas com relação aos últimos seis meses e as expectativas que medem os mesmos parâmetros nos seis meses futuros. O de condições ficou em 61,5 pontos, contra 63,1 do medido no mês passado. Já o de expectativas, fechou em contra 71,3 pontos, ante 71,8 registrado em janeiro.

Sondagem industrial

A pesquisa da CNI, com empresários do setor no Paraná, revelou que a utilização da capacidade instalada nas empresas paranaenses está em 74%. Entre as grandes companhias, o valor chega a 81%. Sessenta por cento das empresas respondentes afirmaram que têm previsão de aumento de demanda para os próximos seis meses, assim como 64% devem realizar investimentos no mesmo período.

É a Austrália

A Austrália superou o Brasil e os EUA em valor da carne exportada no ano passado, segundo dados do Meat & Livestock Australia. Cerca de 7,3 milhões de toneladas de carne de bovino foram exportados em escala global em 2019, com o Brasil liderando como o maior exportador em volume (quase 1,6 milhão de toneladas). No entanto, a Austrália conseguiu obter melhores ganhos por sua participação de 1,2 milhão de toneladas de carne. O valor das exportações australianas de carne bovina foi de US$ 7,5 bilhões, tornando o país o exportador de carne bovina mais valioso do mundo. Em segundo lugar, vêm os EUA, com quase US$ 7 bilhões alcançados por quase 1 milhão de toneladas de carne bovina. O Brasil ficou em terceiro, com US$ 6,5 bilhões pela carne exportada no ano passado. No entanto, a concorrência no mercado global vai aumentar este ano, com a carne bovina dos EUA ganhando terreno em vários grandes mercados asiáticos, como Coréia do Sul e Japão, e a carne brasileira na Indonésia.

BB libera R$ 15 bi

O Banco do Brasil disponibilizou R$ 15 bilhões para a compra antecipada de insumos agrícolas, através do pré-custeio da safra 2020-2021, uma linha de crédito voltada ao produtor rural que deseja se preparar para a formação da lavoura. O valor é 47% maior do que o contratado pelos produtores rurais na última safra, quando o banco liberou cerca de R$ 10 bilhões para a linha. Os produtores que desejam financiar lavouras de soja, milho, algodão, café, arroz, e cana-de-açúcar podem solicitar a linha de pré-custeio. As operações podem ser contratadas com recursos controlados, com taxas a partir de 6% ao ano; e não controlados, com taxas a partir de 6,1% ao ano.

Carne para o Brasil

A Miratorg, uma das maiores empresas de agronegócio da Rússia, começou a fornecer 13 toneladas carne bovina para o Brasil, informou a empresa. O volume de produção de carne bovina da empresa russa em 2019 ultrapassou 137 mil toneladas. A Miratorg atualmente fornece carne para quase 30 países, incluindo países do Golfo Pérsico, Sudeste Asiático, África e várias ex-repúblicas soviéticas. A Miratorg possui a maior instalação de criação especializada na produção de black angus do mundo, com 63 fazendas e dois confinamentos na Rússia.

Troca no comando

A Conab anunciou um novo presidente. Sai Newton Araújo Silva Júnior e assumiu Guilherme Bastos Filho. Formado em agronomia pela Universidade Federal de Viçosa, Bastos Filho atuou como consultor de gestão e mercados agrícolas em empresas privadas e como especialista de análises econômicas da Fundação Getúlio Vargas, do Instituto Brasileiro de Economia e do Centro de Estudos Agrícolas. Quem assume a diretoria de Política Agrícola e Informações da companhia é Bruno Cordeiro, atualmente diretor de Operações e Abastecimento do órgão, que acumula interinamente a vaga.

Band lança o AgroMais

Entra no ar no próximo dia 18 de março, às 17h, o AgroMais. Será um canal pago exclusivo de notícias, destinado a atender principalmente o segmento de produção rural, com programação 24 horas, todos os dias e apoio de profissionais do BandNewsTV. O canal terá uma forte atuação no digital, estando presente em todas as plataformas. Já estão fechados como atrações Roberto Rodrigues – ex-ministro da Agricultura, o pesquisador Evaristo de Almeida (Embrapa) e Samanta Pineda, do Terra Viva, advogada e especialista em direito socioambiental, além do site AgroData.

Rombo

As contas externas do Brasil registraram déficit de US$ 11,879 bilhões em janeiro deste ano, com aumento de 31,3% na comparação com o mesmo mês de 2019. Foi rombo o maior para o período desde 2015, ou seja, em cinco anos. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (21) pelo Banco Central. O déficit em transações correntes, um dos principais sobre o setor externo do país, é formado pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior).

Investimento estrangeiro

O Banco Central também informou que os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira somaram US$ 5,618 bilhões em janeiro deste ano, com pequena queda frente ao patamar do mesmo mês de 2019 (US$ 5,828 bilhões). Com isso, os investimentos estrangeiros não foram suficientes para cobrir o rombo das contas externas no acumulado deste ano (US$ 11,879 bilhões). Quando o déficit não é "coberto" pelos investimentos estrangeiros, o país tem de se apoiar em outros fluxos, como ingresso de recursos para aplicações financeiras, ou empréstimos buscados no exterior, para fechar as contas.

Redação ADI-PR Curitiba 

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.