Logotipo

07 de fevereiro de 2019

O poder da leitura na transformação da sociedade

“A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas por mais incrível que pareça, a quase totalidade não sente essa sede”. O famoso pensamento de Carlos Drummond de Andrade, um dos poetas mais influentes do século XX, é bastante válido para os tempos atuais. Isso porque a citação traz uma inquietação que vai além dos bancos escolares e faz questionar por quais motivos grande parte da população brasileira não sente essa sede, exaltada por Drummond.

A falta de leitura do (a) brasileiro (a) é atestada pela Pesquisa Retratos da leitura no Brasil, a qual mostra que 44% da população brasileira não lê e 30% nunca comprou um livro. O levantamento mostra mais: o brasileiro que se dispõe, lê apenas 4,96 livros por ano e desses, 0,94 são indicados pela escola e 2,88 lidos por vontade própria.

O resultado dessa falta de hábito, gosto, ou mesmo incentivo, está nas avaliações de leitura, formação de pensamento e na redação dos estudantes do País.

Uma mostra desse fracasso está no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018, o qual registrou apenas 55 redações de estudantes com a nota máxima. Foram 4,1 milhões de redações corrigidas, e somente estas 55 receberam pontuação máxima; sendo que outros 112.559 candidatos tiveram a dissertação zerada.

Pois bem. A importância da leitura não está apenas no registro de uma nota que conte pontos para obter uma vaga em uma universidade, o que já é bastante. Mas, ela vai além. A leitura estimula o pensamento, habilita a uma argumentação rápida e com conteúdo e possibilita o acesso a culturas até então desconhecidas.

É a leitura que contribui para a educação, faz pensar, argumentar, refletir, aprender e ensinar.

Talvez seja essa falta de hábito da leitura de livros que tenha levado a sociedade a acreditar cada vez mais em “Fake News”, a restringir os conhecimentos ao que o outro falou, sem pesquisa, sem comprovação, sem autor conhecido. O que está no WhatsApp, hoje em dia, tem mais fundamento que um livro, para muitas pessoas.

O progresso e a evolução intelectual da sociedade podem ser transformados pelos livros. E essa transformação pode começar não apenas nas escolas, mas nos lares, através do incentivo dos pais para que as crianças tomem gosto cedo pela leitura.

Pois, se depender do incentivo político, a sociedade está fadada a queimar todos os dias, mil “bibliotecas de Alexandria”, que eram as principais referências do conhecimento e saber da Antiguidade.

Compartilhe

Colunistas