Connect with us

Natal 2020

Comemorações devem ter cuidado redobrado para evitar contágio por Covid-19

Uso da máscara deve ser constante mesmo nas festas, pois ela reduz as chances de contágio (Foto: Volodymyr Hryshchenko/Unsplash)

Publicado

em

Comemorações devem ter cuidado redobrado para evitar contágio por Covid-19

Médico orienta que se reúnam pessoas apenas do convívio diário 

A chegada de dezembro gera a expectativa das pessoas com relação às festividades de Natal e Ano-Novo. Entretanto, em tempos de pandemia da Covid-19, as clássicas reuniões familiares com aglomeração de pessoas terão que ser adiadas, mas, caso ocorram, terão que passar por diversas adaptações como distanciamento, uso de máscara, higienização e mudanças, inclusive em como fazer a ceia e o brinde. O médico João Felipe Zattar Aurichio concedeu uma série de orientações para que as pessoas possam celebrar as festas de fim de ano e iniciar 2021 sem estarem infectadas pelo Coronavírus.

“As festas de fim de ano sempre são motivos de confraternização entre os familiares. O cuidado deve continuar o mesmo. Evite a presença de crianças, idosos ou pessoas com doenças crônicas nesses locais. Não há um número de pessoas reunidas que não tenha risco, mas recomendamos que não passe de oito pessoas em um mesmo local. E todas devem manter a distância social segura, evitando beijos e abraços e utilizando a máscara sempre que possível”, informa o médico.

Segundo ele, a orientações é de que não haja reuniões com pessoas fora do convívio diário, ou seja, de outras famílias. “Caso reuniões com outras pessoas ocorram, as medidas de prevenção devem ser ainda mais reforçadas. Lembrando que os riscos continuam sendo altos”, explica.

Ceia

“A comida deve ser servida de forma individual, evitando modelos como buffet”, afirma o médico João Zattar

Outro ponto importante são as adaptações que devem ser realizadas na ceia. “A comida deve ser servida de forma individual, evitando modelos como bufê, em que várias pessoas têm contato com o mesmo alimento. E o brinde dessa vez deve ser sem contato das taças, mantendo uma distância segura de ao menos 1,5 metro”, afirma João Zattar.

“Caso você permaneça isolado em casa por no mínimo 10 dias antes da confraternização e esteja sem sintomas, a chance de você estar com Covid ou passar para alguém é próxima a zero. No entanto, isso, teoricamente tem de ser feito por todos que irão se confraternizar. Dessa forma, sabemos que isso é quase algo impossível, tendo em vista que as pessoas têm suas vidas profissionais e particulares para resolver”, finaliza o médico.

Leia também: Cestas de Natal estão em alta em final de ano mais familiar e em casa