Logotipo

Juan Guaidó se declara presidente interino da Venezuela

23 de janeiro de 2019

Ele é reconhecido pelo Brasil, EUA e Canadá

Compartilhe

O líder da oposição na Venezuela, Juan Guaidó, declarou-se presidente interino do país  em uma dramática escalada de esforços para forçar o presidente Nicolás Maduro a deixar o poder.

A medida foi imediatamente bem recebida pelos governos dos EUA, Canadá e do Brasil. Donald Trump disse que usaria o "peso total" do poder econômico e diplomático dos EUA para pressionar pela restauração da democracia na Venezuela.

Na frente de milhares de manifestantes na capital, Caracas, Guaidó, chefe da assembléia nacional dirigida pela oposição, levantou a mão direita e disse que estava "assumindo formalmente a responsabilidade do executivo nacional".

O parlamentar de 35 anos disse que sua surpresa é a única maneira de resgatar a Venezuela da "ditadura" e restaurar a ordem constitucional.

“Para conseguir essa tarefa e restabelecer a constituição, precisamos do acordo de todos os venezuelanos”, gritou ele.

Guaidó já havia se declarado disposto a assumir a presidência interinamente com o apoio das forças armadas para convocar eleições.

Em uma declaração, Trump descreveu a assembléia nacional como o "único ramo legítimo do governo devidamente eleito pelo povo venezuelano" e pediu que outros países nos governos do hemisfério ocidental reconheçam Guaidó como presidente interino.

"Continuamos a responsabilizar diretamente o regime ilegítimo de Maduro por quaisquer ameaças que possam representar para a segurança do povo venezuelano", disse ele.

O ministro das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, disse que o governo de Maduro estava "agora totalmente arraigado como uma ditadura" e pediu que ele entregasse o poder à Assembléia Nacional até que novas eleições fossem realizadas.


"O Brasil reconhece o Senhor Juan Guaidó como Presidente Encarregado da Venezuela", disse o Itamaraty, em nota, acrescentando que "apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem" ao país vizinho.


Juan Guaidó tuitou pela primeira vez após se declarar presidente interino da Venezuela:

"Hoje, demos um passo histórico junto à nossa Assembleia Nacional. Reconhecemos a atitude cívica de nosso povo. Hoje, mais do que nunca, precisamos de organização e nos reconhecermos entre nós", escreveu.

 


 

Com informações: The Guardian e G1
Foto Destaque: Federico Parra / AFP / Getty Images


Colunistas