conecte-se conosco

Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá

Palmito

A história do Brasil está ligada à Mata Atlântica

Publicado

em

A história do Brasil está ligada à Mata Atlântica. Desde a colonização pelos portugueses este bioma passou por um uso intensivo da terra tendo os ciclos de exploração do Pau-Brasil, cana de açúcar, café, cacau e pecuária, transformando completamente a paisagem. Nesta vegetação encontra-se o palmiteiro.

Fragmentos remanescentes da Mata Atlântica original ainda persistem, mas se deterioram devido à retirada de lenha, madeira, palmito e introdução de espécies exóticas.

As áreas de ocorrência natural da espécie no Brasil: em São Paulo; no Sul da Bahia; Espírito Santo e Goiás; em Minas Gerais na Zona da Mata; sul do Mato Grosso do Sul; em Pernambuco e Paraná no leste, norte e oeste; Rio de Janeiro; Rio Grande do Sul e Santa Catarina no leste (EMBRAPA, 1994).

Seu nome científico é Euterpe edulis, sendo as denominações comuns a cada região diversificadas: açaí do sul (RJ), ensarova (SC), içara (SC), inçara (SC), iuçara, jiçara (PR), juçara (BA,PB,SC,SP), palmeiro-doce, palmiteira (SC), palmiteiro-doce, palmito (BA, MG, MS, PR, RJ, RS, SC, SP), palmito-branco (SP), palmito-doce (RJ, SP), palmito-juçara (RJ, SP, PR), palmito-vermelho, ripa (SC) e ripeira.

A parte comestível encontra-se entre o término do tronco e a parte onde nascem as folhas. O palmiteiro não produz madeira, porém o tronco é usado na construção civil como caibro, ripa e mourões, sendo que para estes fins, a tradição popular recomenda a utilização de árvores abatidas na lua minguante, a fim de evitar o apodrecimento precoce.

Está entre as espécies de interesse econômico e social. O palmito encontra-se em categoria de espécies ameaçadas, conforme o Centro Nacional de Conservação da Flora – CNCFlora, e na lista de espécies ameaçadas de extinção do Ministério do Meio Ambiente – Portaria MMA n.º 443 de 17 de dezembro de 2014 (SFB, 2018).

Embora as florestas tenham muita importância na vida das pessoas no meio rural, devido à complementação de renda com produtos florestais, a exploração indiscriminada colocou o palmito na lista de espécie ameaçadas, como também espécies de animais que se alimentam de suas sementes, por exemplo, a ave jacutinga.

 

Carla Cristina Tonetti Zaleski

IHGP – Diretora de Geografia

 

 

Continuar lendo
Publicidade