Logotipo

Revitalização da Avenida Bento Rocha inicia neste mês

08 de abril de 2018

População opina sobre as dificuldades encontradas na via, as quais põem em risco a segurança

Compartilhe

Após a ordem de serviço assinada nesta semana pelo governador Beto Richa, autorizando o início das obras de construção do viaduto na entrada da cidade e revitalização da Avenida Bento Rocha, os moradores na região aguardam para que os serviços, de fato, sejam iniciados. Ambas as intervenções devem beneficiar a infraestrutura na cidade, favorecendo os motoristas de caminhões que trafegam diariamente pela avenida, assim como a comunidade local, que espera pelas obras há muito tempo.

Os recursos para a Avenida Bento Rocha são 85% da APPA (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina) e 15% do DER (Departamento de Estradas de Rodagem). O viaduto será construído, em sua totalidade, com recursos da APPA.

A Avenida Bento Rocha absorve um fluxo de cerca de cinco mil caminhões ao dia. Na mesma via ainda trafegam carros, motos, bicicletas, pedestres e crianças a caminho da escola. E, assim, o trânsito de caminhões está em meio ao dia a dia de moradores dos bairros da região. Os ciclistas, especialmente, estão há anos sem poder andar pela maior parte da ciclovia implantada no local.

Em alguns locais, torna-se impossível circular devido à vegetação e à sujeira deixada no local, o qual era para oferecer mais segurança aos ciclistas.

A iluminação precária e a ausência de sinalização são mais alguns dos problemas enfrentados pela população. Os pais, alunos e professores da Escola Municipal Randolfo Arzua, localizada na Avenida Bento Rocha, encontram dificuldades em fazer a travessia devido à falta de uma faixa de pedestre, semáforos e também boa vontade dos motoristas.

Por isso, as obras são tão esperadas pela população. A revitalização será completa, de acordo com a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Seil), e o trecho compreende 2,9 km, entre a ponte sobre o Rio Emboguaçu e a interseção com a Avenida Portuária. O teto da licitação era R$ 20,2 milhões, mas a empresa vencedora ofereceu R$ 15,9 milhões, desconto de 21,1%. Os recursos serão aplicados na recuperação do pavimento de concreto, readequação do sistema de drenagem, reconstrução de ciclovia e nova sinalização vertical e horizontal.

Já o viaduto na BR-277, que dará acesso às avenidas Bento Rocha e Ayrton Senna, terá seis metros de altura, 7,6 metros de largura e mais de 900 metros de extensão, considerando as rampas de acesso e a pavimentação sobre a estrutura.

OPINIÃO

A comerciante Valquíria Silva de Moura é proprietária de uma panificadora na Avenida Bento Rocha há 32 anos. Segundo ela, a via nunca esteve tão mal conservada como agora. “A obra é necessária, principalmente devido à sujeira que atrai moscas. Também há essa falta de manutenção, deixaram tudo mal cuidado. O que impacta bastante para a gente também é o congestionamento de caminhões, pois os moradores têm dificuldades de atravessar, porque não tem faixa de pedestre”, disse Valquíria.

Para ela, o ideal seria a instalação de um semáforo no cruzamento próximo ao seu estabelecimento comercial para organizar o trânsito. “Isso facilitaria para as pessoas atravessarem a rua. De três clientes que aparecem, um reclama do movimento que impede a passagem. Praticamente toda a soja e milho do Paraná e do Mato Grosso passam por aqui, por isso é preciso olhar para essa via com bons olhos. Esperamos que melhore bastante, haverá transtornos, mas é por uma boa causa”, completou Valquíria.

Adriana Rita do Amaral também é comerciante na via em uma bicicletaria, onde os clientes relatam os problemas enfrentados na ciclovia. “Eles têm que passar pela rua, o que ocasiona muitos acidentes, pois os caminhões passam muito rápido. Em alguns trechos da ciclovia não tem como passar e, com isso, os motoristas acabam passando por cima. Esperamos que melhore não só a rua como também a sinalização, não tem faixa para dividir a pista, ninguém sabe se é mão única e muitas vezes acabam passando na contramão”, contou Adriana.

A comerciante ainda relatou que já presenciou diversos acidentes fatais na Avenida Bento Rocha. Além disso, as enchentes são frequentes e prejudicam os moradores. “O problema é muito maior que a gente observa e a cada dia está pior”, concluiu Adriana.

Colunistas