Connect with us

Infraestrutura

Porto de Paranaguá faz embarque pioneiro no Brasil

A tendência é que essas exportações aumentem nos próximos anos

Publicado

em

O Porto de Paranaguá embarca, nesta semana, a primeira carga de DDGS, um coproduto do processamento do milho para a fabricação de etanol, o que sobra do grão. A operação será um teste para que o produto passe a entrar na rotina das exportações paranaenses a granel. Neste primeiro lote, 27,5 mil toneladas serão levadas à Inglaterra pelo navio Interlink Acuity.

“Ficamos animados quando a demanda surgiu e, mais ainda, quando esta operação foi confirmada. É uma oportunidade de ampliação de negócios não apenas para o porto e operadores, mas também para a indústria do Estado”, afirma o presidente da empresa pública Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

O navio que vai receber a carga chegou na segunda-feira, 16, e está programado para atracar e iniciar o carregamento no berço 212, no Corredor de Exportação, no domingo, 22.

“O produto é novo. Nunca foi exportado pelo Porto de Paranaguá. Nessa operação, vai utilizar as nossas correias e a infraestrutura do Corredor de Exportação”, explica o diretor de Operações, Luiz Teixeira da Silva Junior.

De acordo com Teixeira, qualquer novo produto que se agrega às operações portuárias entusiasma toda a cadeia. “Principalmente quando se enxerga que este é um segmento que vai crescer ainda mais. O produto só vem a somar à capacidade do Corredor de Exportação, nos preparamos para essa demanda”, completa.

OPERAÇÃO

O lote já está completo e armazenado no terminal da Cimbessul, em Paranaguá. Segundo o coordenador de operações portuárias Ronaldo Zucarelli, 700 caminhões descarregaram o DDGS nos armazéns da empresa. O produto está segregado no armazém, como exigido pelo comprador.

O diretor executivo do terminal, Valmir Pedro Adamante, explica que a movimentação desse subproduto do milho é novidade para o setor.

“É um desafio que a gente assumiu. Temos espaço sobrando, resolvemos encarar o processo e esperamos ter sucesso nesse embarque”, afirma. Ele acrescenta que esse será um primeiro teste, mas as perspectivas são boas diante do crescimento da produção que se vê no Brasil.

O diretor afirma que são vários os países que já demonstram interesse no produto, pois o DDGS já vai processado e pronto para o consumo. “Vai ser um negócio interessante, que vai competir com o mercado do farelo da soja e vai crescer muito”.

PRODUTOR

O produto embarcado pelo Porto de Paranaguá foi produzido em Sinop, no Mato Grosso, pela Inpasa Agroindustrial S.A. No Brasil, a empresa chega a processar 3,6 mil toneladas de milho por dia, produzindo 1,5 milhão de litros de etanol e mil toneladas de DDGS diariamente. Segundo o gerente comercial, Jeferson Santi, além da primeira exportação de DDGS da empresa pelo País, será a pioneira também no Brasil.

De acordo com a Inpasa, atualmente esse mercado é dominado pelos Estados Unidos, que chegam a exportar cerca de 40 milhões de toneladas de DDGS ao ano. A empresa destaca que o País já apresentou esse produto e o mundo já conhece esse mercado. O Brasil ainda está descobrindo.

No Brasil, além da unidade de Sinop, a empresa deve abrir uma segunda em Nova Mutum, também no Mato Grosso, com inauguração prevista para o segundo semestre de 2020, agregando à produção mais 750 toneladas de DDGS por dia. O grupo tem outras duas unidades no Paraguai que já exportam pelo país vizinho.

Embarque no Porto de Paranaguá anima indústria do Estado

O DDGS é um coproduto do processamento do milho para a fabricação de etanol. Esta primeira carga é do Mato Grosso, mas esse passo da indústria daquele Estado entusiasma a única usina que produz etanol a partir do grão no Paraná.

Segundo o gerente comercial da Cooperativa Agroindustrial Vale do Ivaí (Cooperval), Claudinei José Vesco, o fato de haver condições de exportar o DDGS pelo Estado é um avanço. “É uma grande novidade e muito positiva para o setor. Não tenho dúvidas de que será ótimo para ampliarmos o processo e a produção”, afirma.

Vesco disse que a usina, localizada em Jandaia do Sul, começou a produção em 2018. No ano passado, foram processadas 17 mil toneladas de milho para produzir cerca de 7 mil metros cúbicos de etanol. “Este ano tivemos um salto muito grande. Estamos fechando com aproximadamente 90 mil toneladas de milho processado e uma produção de mais de 36 mil metros cúbicos de etanol”.

Para 2020, a expectativa da usina é processar cerca de 150 mil toneladas de milho, aumentando ainda mais a produção do etanol e as oportunidades de comercializar subprodutos como o DDGS.

PRODUTO

De acordo com o representante da Cooperval, o milho precisa ser moído para a produção do etanol, transformando-se numa espécie de farinha. “Esta vai para um processo como um cozimento até virar o etanol. O que sobra é um produto como um fubá, um pouco mais grosso. Esse passa por um novo processo, de secagem, e chegamos ao DDGS”.

O produto, segundo ele, tem mais de 30% de proteína, excelente para alimentação animal. “Já produzimos este produto para o mercado interno, de pequenos consumidores, mas temos condições totais de atender uma demanda maior, inclusive do mercado externo”, disse o gerente comercial.

ETANOL

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção total de etanol à base de milho no Brasil deverá atingir 1,35 bilhão de litros na safra 2019/20, representando acréscimo de 70,3% em relação ao exercício anterior.

Apesar de ter apenas uma usina, o Paraná é o terceiro Estado produtor do biocombustível, atrás do Mato Grosso e de Goiás. Segundo a companhia nacional, da safra 2018/2019, a produção no Estado aumentou 467,3%, passando de 9.569 litros para 54.288.

Uma tonelada de milho é capaz de produzir 420 litros de etanol e 300 quilos de DDGS.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.