Logotipo

Presidente da Associação dos Taxistas de Paranaguá

04 de março de 2018

“Queremos a união e o fortalecimento da classe”, diz Maickon Atanazio

Compartilhe

Maickon Atanazio de França, motorista profissional há 13 anos, atualmente preside a Associação dos Taxistas de Paranaguá. No sábado, 25, França foi reeleito para mandato de mais dois anos frente à instituição, e  concedeu entrevista à Folha do Litoral News, na qual comenta sobre diversos assuntos e os avanços obtidos pela categoria durante o seu primeiro mandato, encerrado no mês de fevereiro deste ano. Ele também fala da luta pelo reconhecimento e fortalecimento da classe, das dificuldades no quesito segurança e das expectativas para os próximos anos. Confira: 

Jornal Folha do Litoral News: Como surgiu o convite para você entrar na Associação de Taxistas?

Maickon França: Na época não era permissionário, trabalhava como motorista auxiliar, e mesmo estando de fora da associação tentava ajudar de alguma maneira, e agradeço o convite aos fundadores da associação. Mesmo antes de assumir a presidência fui o idealizador da padronização das camisetas dos taxistas, com as parcerias com as empresas que quiseram patrocinar. Este foi um dos meus principais assuntos, e como o Adriano Matozo (antigo presidente) teve que se ausentar, pois passou em um concurso público, eu inscrevi uma chapa, que foi única, sendo eleita por aclamação. Então assumi a associação para um mandato que encerrou no último mês. 

Jornal Folha do Litoral News: Qual avaliação o senhor faz deste primeiro mandato? 

Maickon França: Para mim, como taxista, avalio como produtivo, pois foram avanços que conseguimos com a prefeitura, melhorias para a categoria. A última que conseguimos foi a reforma do ponto de táxi da rodoviária, contemplando os taxistas com banheiro, aumentando a sala para que possamos utilizar para conversarmos com a categoria. Um dos avanços também importante foi a união da categoria, conseguimos mandar representantes com um táxi para Brasília, a respeito da votação dos aplicativos, onde fomos três vezes de táxi para podermos acompanhar e levar as nossas opiniões aos nossos deputados federais. Com isso, fui eleito o representante de Paranaguá e do litoral para falar pela classe no Senado Federal.  

Jornal Folha do Litoral News: Na noite da quarta-feira, 28, o projeto que regulamenta os aplicativos de transporte privado de passageiros foi aprovado. Como você vê esta aprovação?

Maickon França: Ao meu ponto de vista teve algo que não foi bem observado, e se confundiram em algo, e vou explicar: eles deram o poder aos municípios para regulamentarem e fiscalizarem, e agora querem tirar o poder de autorizar. Não existe como você regulamentar e fiscalizar sem que você faça a devida fiscalização. Isso também seria o mesmo para os taxistas, o que quisermos fazer eles não podem proibir. Na minha opinião, os direitos devem ser iguais para todos, tanto para os aplicativos como para os taxistas. Não queremos proibir os aplicativos, queremos trabalhar com os mesmos preços e condições, e sempre pensando em levar melhorias para a população a qual servimos. 

Jornal Folha do Litoral News: É comum os taxistas serem vistos como alvo de assaltantes? Como você avalia a situação?

Maickon França: A violência está em nossa volta. Neste mês que passou fui assaltado, e graças a Deus nada aconteceu comigo, foram só bens materiais,  celular, dinheiro e documentos. Inclusive estou tendo dificuldades em tirar a segunda via da minha habilitação para poder trabalhar. E recentemente, o caso mais trágico foi do nosso companheiro Leonardo Mamede, que iniciou comigo no táxi comigo, trabalhando no táxi adaptado para cadeirante, o único taxi adaptado na cidade que dá acessibilidade ao transporte de cadeirantes. Vemos que a segurança pública tem solução, mas é preciso que o Poder Público destine mais verbas para a área, para investimentos nas polícias. As forças unidas vão inibir estas pessoas que estão com intenção de fazer coisas erradas, com certeza.  

Folha do Litoral News - Na noite da quarta-feira, 28, a associação participou de uma reunião com o Conselho de Segurança de Paranaguá.  Qual foi a deliberação? 

Maickon França: Foram muitas ideias. Mais muitas delas com custos elevados. A que foi mais viável foi a de criar um dispositivo “botão de pânico”, como já existe o luminoso no teto do carro. Foi apresentado uma luz de led, branca, normal, e uma luz vermelha também em led, a qual seria acionada pelo motorista, sem movimentos bruscos para não chamar a atenção de quem está dentro do carro. Mas o taxista ou alguém que observasse o táxi com esta luz vermelha ligada poderia chamar as autoridades policiais para verificar se há alguma coisa de errado com o taxista. Pois fica ruim ver um táxi e abordar, isso evitaria também constrangimentos não só para o taxista como também para os passageiros. Sabemos que tudo isso é para a segurança de todos, motoristas e passageiros. 

Jornal Folha do Litoral News: No sábado, 24, aconteceu a eleição da nova diretoria da associação. Qual é a expectativa para os próximos dois anos?  

Maickon França: A união da categoria. Vamos trabalhar para que a categoria fique cada vez mais unida com o Poder Público, e buscar melhorias para a classe. Uma novidade para os taxistas aconteceu no Rio de Janeiro e que pode servir para nós, o município criou o aplicativo e administra. Na minha opinião é viável, pois já que a modernidade foi aprovada, dá condições para a categoria receber estas novidades. Quando a pessoa chamar você por um aplicativo deste molde, terá um cadastro no sistema, e se acontecer algo de errado na corrida, o administrador saberá quem foi o último passageiro que chamou a corrida, que pegou o táxi. Quem sabe num futuro próximo consigamos implantar este sistema. Então temos muito trabalho pela frente. 

Jornal Folha do Litoral News: Deixo o espaço para que você possa deixar sua mensagem para a categoria e a população em geral.

Maickon França: A nossa nova diretoria, assim como todos os taxistas que sempre trabalharam pela classe, quer somar, jamais dividir. Esta união é para conquistas, benfeitorias e melhorias para toda a categoria. E a população pode ter certeza que o táxi é o modo mais seguro, mais viável e de maior fiscalização pelo Poder Público. O táxi possui identificação, você tem como reclamar em um órgão competente. Volto a dizer que estamos aqui para somar, sem críticas, mas trabalhando em busca de soluções para melhor atender aos passageiros. Se tudo der certo, e a associação caminhar, vamos buscar a padronização dos pontos de táxi. Para isso precisamos da participação de toda a categoria, e desde já quero agradecer ao Poder Público que é o poder concedente, pois muitos dos avanços são trabalhados em conjunto. Desde já agradeço a Folha do Litoral News pelo espaço e quero destacar que estamos à disposição de todos.  

Colunistas